WAGNER SOUZA/ FUTURA PRESS
WAGNER SOUZA/ FUTURA PRESS

Viracopos permitiu vigias armados para transporte de valores há 2 meses; lembre outros roubos

Alteração ocorreu cinco dias após a Brink's, alvo de quadrilha nesta quinta, anunciar a suspensão das operações em aeroportos que não permitissem a presença de funcionários com armas

Isabela Palhares e Renata Okumura, O Estado de S.Paulo

17 de outubro de 2019 | 19h51

SÃO PAULO - O aeroporto de Viracopos, que foi invadido por criminosos nesta quinta-feira, 17, alterou seu Plano de Segurança de Transporte Aéreo de Valores (PSTAVs) em agosto para permitir que vigilantes de empresas de transportes de valores pudessem estar armados em todas as etapas (embarque e desembarque e terminais de carga). 

O roubo a Brink's  desta quinta terminou com a morte de três assaltantes, dois seguranças baleados e três pessoas foram feitas reféns, entre eles uma criança, só uma se feriu levemente. Um major da polícia também foi atingido, mas sem gravidade. 

A mudança do protocolo em Viracopos ocorreu cinco dias após a Brink's anunciar a suspensão das operações em aeroportos que não permitissem a presença armada dos vigilantes. A suspensão das operações foi anunciada após o roubo milionário de 720 quilos de ouro no aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, neste terminal também não era permitido o uso de armas pelos vigias.

À época, a empresa argumentou que "não tinha liberdade para colocar em prática a plenitude de seus procedimentos operacionais e de segurança", por isso, optou pela suspensão para preservar a segurança de todos os envolvidos na atividade. 

Para Ruben Schechter, diretor-presidente da Associação Brasileira das Empresas de Transporte de Valores (ABTV), o resultado da ocorrência em Viracopos mostra que a mudança do procedimento de segurança estava correta. "O fato de os vigilantes estarem arnados permitiu que eles agissem o suficiente para esperar a chegada da polícia, que é o objetivo buscado por eles nesse tipo de ação. Os protocolos e recomendações estão começando a surtir efeito, parte do dinheiro foi recuperado", disse. 

Há anos o setor pressiona o Congresso e governo federal para que liberem o uso de armamento mais ostensivo para quem realiza o transporte de valores. Eles tentam desarquivar um projeto de lei que libera o uso de carabina .30 com munição não transfixante e fuzil calibre 5,56 cm. "Os criminosos estavam preparados para o combate e para a fuga com um armamento pesado e de uso restrito, porque sabem que o armamento usado pelos vigilantes é muito inferior ao da polícia, ao que têm acesso. O que nos é permitido usar é inferior até mesmo ao que é liberado para uso civil", disse. 

Schechter disse que a associação também propõe uma força tarefa em conjunto entre todas as polícia para identificar as quadrilhas que organizam essas ações. "É o segundo assalto ocorrido em um curto período de tempo, com o mesmo modus operandi. Precisamos de um trabalho de inteligência da polícia para desarticular esses grupos antes que voltem a agir". 

Um levantamento da ABTV mostra que desde 2016 foram registrados oito roubos e 3 tentativas de roubos em aeroportos envolvendo empresas de transporte de valores. No aeroporto de Viracopos, é a segunda vez que ocorre uma ação consumada - a primeira ocorreu em 2018.

Em nota, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) disse aguardar todas as informações sobre a ocorrência desta quinta para analisar se houve alguma medida que não esteja em conformidade com as normas de Segurança de Aviação Civil Contra Atos de Interferência Ilícita (AVSEC).  

Relembre outros casos

Roubo de Ouro - Guarulhos

Um dos maiores assaltos da história recente do País, roubo de 720 quilos de ouro no aeroporto de Guarulho, em agosto de 2019, ainda é alvo de uma investigação da polícia que tenta desvendar a ação da quadrilha. Os ladrões usaram veículos clonados com identificação da Polícia Federal para entrar no local e realizar o roubo. Ninguém ficou ferido e os criminosos conseguiram fugir.Quatro pessoas já foram presas e outras duas são consideradas foragidas.  A carga roubada é estimada em R$ 117 milhões.

Roubo de Dólares -Viracopos

Em março de 2018, uma quadrilha arrebentou o alambrado e invadiu o Aeroporto de Viracopos com uma caminhonete clonada do serviço de segurança, rendeu funcionários e roubou US$ 5 milhões, quando a carga era carregada em um avião da Lufthansa. O dinheiro era transportado por carro-forte da empresa Brinks. O avião havia decolado de Guarulhos e fazia escala em Campinas, antes de seguir viagem com os dólares para a Suíça, na Europa. Ninguém foi preso e o roubo ainda não foi esclarecido.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.