REUTERS/Nacho Doce
REUTERS/Nacho Doce

Após roubo de ouro, Brink's suspende transporte em aeroportos brasileiros

Empresa era responsável pela entrega dos 718,9 quilos do metal que foram levados em Cumbica

Isabela Palhares, O Estado de S.Paulo

31 de julho de 2019 | 15h56

SÃO PAULO  - A Brink's, empresa de transporte de valores, responsável pela entrega dos 718,9 quilos de ouro até o aeroporto Internacional de Guarulhos, de onde foram roubados, anunciou que vai suspender as operações para esse tipo de serviço em alguns terminais do País. A empresa alega "níveis crescentes das atividades criminosas e as restrições operacionais".

Questionada, a empresa não informou quais operações serão suspensas e quais aeroportos deixarão de ser atendidos. Parte do ouro pertencia à minerador Kinross, que diz esperar que o valor da carga levada seja coberto pela seguradora da transportadora contratada

Segundo a transportadora, alguns aeroportos brasileiros não dão a empresa "liberdade de colocar em prática a plenitude de seus procedimentos operacionais e de segurança". Como exemplo, a empresa disse que, em alguns terminais, há restrição para o emprego de vigilância armada ostensiva. 

"Essa decisão tem como objetivo preservar a segurança dos valores transportados, a segurança de todas as pessoas envolvidas na atividade e a viabilidade da operação", diz.

Em algumas regiões do País, a Brink's é a única autorizada a transportar moeda estrangeira, pedras preciosas e ouro, o que pode ser prejudicado com a decisão de suspensão. 

"A empresa entende o transtorno que essa medida pode causar para as atividades de seus clientes e salienta seu incansável exercício de interlocução com todas as autoridades aeroportuárias, na busca da autorização para o pleno exercício de suas atividades, com uso dos procedimentos de segurança adequados, em todas as etapas que ocorrem dentro dos aeroportos", disse a transportadora. 

Em nota, o Ministério da Infraestrutura disse que o Comitê Técnico de Segurança da Aviação Civil está trabalhando na revisão do Programa Nacional de Segurança da Aviação Civil Contra Atos de Interferência Ilícita (PNAVSEC) para adequá-los às recomendações da Organização da Aviação Civil Internacional (OACI) e aumentar a segurança da aviação civil no País. A nota da pasta não informa quais são as adequações estudadas. 

O objetivo do programa é estabelecer regras de segurança para garantir a integridade de passageiros, tripulantes, pessoal de terra, público em geral, aeronaves e instalações dos aeroportos brasileiros contra atos ilícitos no solo ou em voo. As diretrizes do programa são regulamentadas pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac)

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.