Hélvio Romero/Estadão
Hélvio Romero/Estadão

Prefeitura de SP registrou recorde de reclamações não atendidas no 156 em maio

Número de reclamações não atendidas foi o pior neste ano e só 25% das solicitações tiveram resposta

Luiz Fernando Toledo, O Estado de S.Paulo

04 Outubro 2017 | 14h59

SÃO PAULO - O canal 156, de reclamações destinadas à Prefeitura, registrou, no mês de maio, seu pior desempenho desde janeiro de 2016 - série história informada pela própria gestão municipal. Nesse mês, só 25% das 61,7 mil novas solicitações foram atendidas e o índice vem caindo mês a mês. Os dados são os mais atuais fornecidos pela Prefeitura.

Em janeiro de 2016, ainda na gestão do ex-prefeito Fernando Haddad (PT) 71% das 82,1 mil solicitações recebidas foram atendidas. A média de atendimento do programa nos anos anteriores foi de 50%. Hoje, o acúmulo de pedidos não respondidos no canal já ultrapassa 500 mil. Os dados foram obtidos pelo Estado por meio da Lei de Acesso à Informação.

Reportagem publicada pelo Estado em maio apontou que as principais reclamações do 156 estão concentradas em questões de zeladoria: poda de árvore e tapa-buraco são os mais demandados. Também figuram no "ranking" das reclamações a construção e reforma de calçadas em áreas públicas e praças, recapeamento, capinação e roçada, entre outros.

O Estado também revelou, nesta quarta-feira, que 8 de 9 as atividades de zeladoria pioraram na gestão do prefeito João Doria, na comparação de janeiro a agosto deste ano e de 2016. Leia o texto aqui.

A Prefeitura culpa a gestão Haddad. "Vale esclarecer que também houve um déficit de R$ 7,5 bilhões no orçamento que inviabilizou, dentre outros serviços, o atendimento dos pedidos do 156 na velocidade adequada", diz a gestão do prefeito João Doria. O ex-prefeito, por sua assessoria de imprensa, refuta a informação. "Um aumento de quase 200 mil reclamações tem a ver com o estilo de administrar do atual prefeito, que despreza mecanismos públicos de consulta e informação.”

 

Ano Mês Recebidas Status  
Finalizadas Pendentes ou não atendidas (mês) Pendentes ou não atendidas

(total acumulado a partir de janeiro de 2016)

Taxa de atendimento
2016 Janeiro 82.162 58.390 23.772 23.772 71%
Fevereiro 98.505 68.903 29.602 53.374 70%
Março 96.853 66.915 29.938 83.312 69%
Abril 72.084 48.981 23.103 106.415 68%
Maio 59.704 40.169 19.535 125.950 67%
Junho 60.364 40.975 19.389 145.339 68%
Julho 52.295 34.013 18.282 163.621 65%
Agosto 55.612 35.911 19.701 183.322 65%
Setembro 56.506 34.561 21.945 205.267 61%
Outubro 57.814 34.022 23.792 229.059 59%
Novembro 59.260 32.566 26.694 255.753 55%
Dezembro 45.652 23.215 22.370 278.123 51%
2017 Janeiro 75.220 35.387 39.833 317.956 47%
Fevereiro 68.792 30.169 38.623 356.579 44%
Março 75.145 28.053 47.092 403.671 37%
Abril 54.851 21.413 33.438 437.109 39%
Maio 61.777 15.191 46.586 483.695 25%

Fonte dos dados: Prefeitura de São Paulo/Lei de Acesso à Informação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.