Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Projeto quer proibir empresas de valores em perímetro urbano

De autoria da deputada estadual Célia Leão (PSDB), proposta apresentada na semana passada foi elaborada após recentes ataques a transportadoras no Estado

Felipe Cordeiro, O Estado de S.Paulo

17 Agosto 2016 | 09h48

SÃO PAULO - Um projeto de lei (PL) publicado na semana passada no Diário Oficial do Estado de São Paulo quer proibir a instalação de empresas de transporte de valores no perímetro urbano das cidades paulistas. De autoria da deputada Célia Leão (PSDB), o projeto foi criado após os ataques classificados por ela como "cinematográficos" a empresas em Campinas, Santos e Ribeirão Preto.

Nesta quarta-feira, 17, mais uma ocorrência foi registrada, em Santo André, no ABC Paulista. O intenso tiroteio assustou moradores da região. Reportagem do Estado mostrou que a facção Primeiro Comando da Capital (PCC) foi a responsável pelos três roubos anteriores e que os crimes renderam pelo menos R$ 138 milhões.

O texto publicado na quinta-feira, 11, estabelece que as transportadoras de valores devem funcionar apenas em áreas rurais, em locais onde não há "colônias agrícolas, condomínios rurais ou áreas com adensamento populacional". As empresas já instaladas no perímetro urbano teriam dois anos para providenciar um novo espaço.

A proposta também define que os carros-fortes só poderão transportar dinheiro para os estabelecimentos financeiros e comerciais atendidos pelas empresas de valores entre as 22 horas e as 7 horas. Segundo parte dos especialistas, a proposta não é efetiva e apenas desloca o problema de lugar. 

'Pânico'. A deputada Célia Leão citou as mortes, além do "temor e pânico na população local", durante as tentativas de roubo a transportadoras de valores e avaliou que o projeto "com certeza poupará a vida e integridade física de inúmeras pessoas".

"Assaltos esses realizados por um grande número de pessoas, portando armamento pesado, inclusive bombas, com bloqueio de ruas, avenidas e, até mesmo rodovias, mediante incêndio de veículos e colocação de barreiras", escreveu a parlamentar.

O PL 615/2016 precisa passar por comissões na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp) antes de ser submetido a votação no plenário. Caso seja aprovado pelos deputados estaduais, o projeto é encaminhado ao governador Geraldo Alckmin (PSDB), que decide se sanciona ou não a lei.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.