John Townsend/Divulgação
John Townsend/Divulgação

Pirelli nega que vai participar de leilão do Autódromo de Interlagos

Em nota divulgada nesta sexta, multinacional afirmou, no entanto, que ajudará a Prefeitura a encontrar investidores; na quinta-feira, Doria havia dito que a empresa era uma das interessadas na participação do pregão

O Estado de S.Paulo

13 Outubro 2017 | 16h17

(Atualizado sábado, 14, às 18h22)

A multinacional Pirelli publicou uma nota nesta sexta-feira, 13, em que nega interesse em participar do leilão de privatização do Autódromo de Interlagos. Em Milão, o prefeito de São Paulo João Doria (PSDB) havia dito na quinta-feira, 12, que a empresa seria uma das interessadas em participar da concorrência. O assunto foi tratado em um café da manhã nesta sexta entre o prefeito e o presidente mundial da multinacional Marco Tronchetti Provera. 

Em nota, a Pirelli informou que Provera e Doria tiveram uma reunião "muito produtiva". Sobre a privatização do Autódromo, a empresa disse que apoia a administração municipal na busca de investidores "ainda que a empresa não contemple em sua estratégia um envolvimento direto nessa questão, no momento".

"Sobre o projeto da venda do Autódromo de Interlagos para a inciativa privada, a Pirelli aprecia a iniciativa do prefeito e o apoiará em seus esforços para encontrar investidores, ainda que a empresa não contemple em sua estratégia um envolvimento direto nessa questão, no momento", afirmou em nota a Pirelli.

Segundo Doria, ficou claro o entendimento de que o presidente da Pirelli tem interesse em ajudar a Prefeitura a motivar os investidores chineses (donos de 30% do negócio) a entrar no leilão. O tucano disse nunca ter afirmado que a entrada da Pirelli no pregão estava certa. 

Na quinta-feira, o prefeito havia afirmado a jornalistas na cidade italiana que a multinacional era uma das interessadas no leilão. "A Pirelli é uma das interessadas na privatização do Autódromo de Interlagos. Vamos ter muito em breve o leilão, que será feito na Bolsa de Valores", disse ele nesta quinta, antes de participar de um jantar com o empresário do Lide, grupo empresarial fundado por ele.

​Ainda segundo Doria, "vários grupos e consórcios',  além da Pirelli, estariam interessados na privatização do autódromo, que foi classificada por ele como a "blue chip" (jargão do mercado de ações para definir um papel que traz bom rendimentos e é seguro por estar atrelado a uma empresa reconhecida) do pacote de desestatização da cidade que ele vem tentando vender no exterior. ​

Neste sábado, 14, a empresa e a Prefeitura divulgaram nota conjunta em que detalham acordo de intenções firmados na reunião do prefeito Doria com o CEO da Pirelli, Marco Tronchetti Provera. No texto, citam criação de uma "mesa técnica de trabalho" para um projeto de desenvolvimento do circuito e da área do Autódromo de Interlagos e ainda estudos de viabilidade sobre "sinergias possíveis" entre o circuito paulistano e a pista de testes e desenvolvimento de produtos da Pirelli, hoje sendo implantada no município de Elias Fausto, em São Paulo.  A nota também cita parcerias para revitalização da Praça Cidade de Milão e a participação da empresas em outros projetos municipais, como o programa Trabalho Novo, de oferta de vagas de emprego para pessoas em situação de rua.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.