Advogado tem escritório invadido e é morto a tiros no interior de SP

Segundo a Polícia Civil, o crime tem característica de execução e pode estar relacionado à atividade profissional da vítima

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

13 de junho de 2018 | 19h02

SOROCABA - O advogado Nilson Aparecido Carreira Mônico, de 60 anos, foi assassinado com três tiros no interior de seu escritório de advocacia, na manhã desta quarta-feira, 13, em Presidente Venceslau, no oeste do Estado de São Paulo. Um homem foi preso, suspeito de ter feito os disparos. Um segundo envolvido no assassinato ainda é procurado. Conforme a Polícia Civil, o crime tem característica de execução e pode estar relacionado à atividade profissional do advogado. A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) acompanha a investigação.

Segundo a investigação, o autor dos disparos entrou sozinho na sobreloja onde fica o escritório do advogado, invadiu a sala e rendeu as pessoas que estavam no interior. Em seguida, fez os disparos, acertando dois tiros no peito e um no rosto de Mônico. Outro suspeito aguardava o atirador ao volante de um carro, mas o homem foi perseguido e saiu correndo em direção a uma praça. Ele acabou preso na Travessa Tenente Osvaldo Barbosa, em frente à prefeitura. Os policiais encontraram a arma usada no crime, um revólver calibre 38, que o atirador havia jogado na rua.

++ Homem mata funcionária do Hospital das Clínicas a facadas

Em uma bolsa levada pelo suspeito, foram encontradas fitas de mordaça, abraçadeiras de plástico e uma quantia em dinheiro. Conforme a polícia, o suspeito contou que a motivação para o crime foi uma ação trabalhista em que o advogado atuava. Ele e o comparsa, que fugiu durante a perseguição, teriam se deslocado de São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo, para a prática do crime. O advogado chegou a ser socorrido pelo Corpo de Bombeiros, mas morreu antes de chegar à Santa Casa da cidade.

A Subsecção da OAB em Presidente Venceslau emitiu nota lamentando o “fato gravíssimo” e informou ter destacado dois advogados para acompanhar o caso. A Comissão de Direitos Humanos da OAB de São Paulo informou que também acompanha as investigações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.