Amanda Perobelli/Estadão
Amanda Perobelli/Estadão

Zona Azul só digital tem problemas no primeiro dia

Houve falha de operação por mais de 2 horas nas cabines oficiais do Mercadão e muitos apelaram a flanelinhas

Juliana Diógenes, O Estado de S. Paulo

05 de dezembro de 2016 | 21h35

SÃO PAULO - A comerciante Saira Ramos, de 37 anos, deu sorte nesta segunda-feira, 5. Encontrou uma vaga a poucos metros da entrada do Mercadão, no centro da capital paulista, região comercial, com alta procura por vagas. Estacionou o carro e logo foi abordada por um flanelinha, que informou, com a máquina da Zona Azul Digital na mão: “É R$ 10, R$ 5 da maquininha e R$ 5 meus.” No primeiro dia em que o talão da Zona Azul deixou de ter validade e o serviço passou a ser 100% digital, a comerciante pagou o dobro do preço tabelado. 

Após ter adiado em 15 dias o fim da validade dos bilhetes, a Prefeitura de São Paulo decidiu iniciar nesta segunda-feira a operação somente com o modelo digital, via aplicativo. No primeiro dia da medida, muitos motoristas não haviam feito o download do aplicativo e recorreram aos pontos de venda para comprar créditos. Houve falha no sistema por mais de duas horas nas cabines oficiais do Mercadão. O problema na internet confundiu e irritou usuários, que correram para pontos de venda no entorno. 

A aposentada Luci de Souza, de 58 anos, também correu, mas para renovar o período de Zona Azul e conseguir fazer as compras que gostaria nas lojas da 25 de Março com a tranquilidade de não ser multada. Ela chegou ao meio-dia, sem o aplicativo no celular, pois não sabia do fim da validade. Mas foi informada pelo flanelinha ao estacionar o veículo. “Vou dar uns R$ 2 de caixinha quando for buscar o carro, para não ter problemas.”

Luci foi até uma banca de revistas e comprou um cartão de duas horas. Às 14 horas, teve de interromper as compras e retornar ao mesmo local para pagar um período de mais duas. “Acho até melhor que seja assim porque é um preço justo. A gente sabe que antes, com o talão, os valores eram muito diferentes. Não tinha um padrão.” 

Pacote. Há dez empresas operando os aplicativos e outras 16 em análise. Já nos postos de venda atuam cinco empresas e existem outras sete em análise. O tempo do cartão poderá ser de 30 minutos, 1 hora, 2 horas ou 3 horas. Também há a possibilidade de comprar um pacote de créditos com desconto: dez cartões digitais custam R$ 45. 

Em nota oficial enviada nesta segunda, a CET confirmou o problema no sistema das cabines do Mercadão e informou que o problema já foi regularizado. A Companhia não apresentou o balanço de multas aplicadas no primeiro dia do novo modelo.

Novo sistema terá cobrança fracionada e aviso de vagas

O secretário de Transportes, Jilmar Tatto, disse que o fim da Zona Azul de papel tem o objetivo de combater fraudes, que no ano passado somaram cerca de R$ 50 milhões. O valor representa quase a metade do total arrecadado em 2015 por estacionamento rotativo. Dos talões entregues na sede da CET, por motoristas que foram solicitar reembolso, 17% eram falsos. 

Segundo o secretário, o novo sistema digital permitirá, até o fim de fevereiro de 2017, a cobrança fracionada da Zona Azul (por 15 minutos) e a informação via aplicativo sobre o local onde há vagas, nos moldes do que é feito no estacionamento de shoppings. Também será possível, conforme Tatto, que o motorista reserve uma vaga antes de sair de casa - a ideia é que seja cobrada uma taxa pela facilidade.

A tecnologia do sistema também permitirá que, nas próximas gestões, a Prefeitura eleve ou reduza o preço da hora em determinadas regiões com maior demanda, como em dias de grandes eventos no Município. Outra estratégia da Prefeitura para evitar fraudes no novo modelo é permitir o cadastro de três placas por IMEI (número único que identifica cada aparelho de telefone celular). 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.