Zinedine Hollande

Somos uns...

Tutty Humor - tuttyvasques@estadao.com.br,

08 de maio de 2012 | 03h05

Da série "Como é ridículo o nosso salário", o narrador esportivo Cléber Machado recusou proposta de R$ 600 mil por mês para trocar a Globo pela Record!

Ai, que filho!

Ainda com seu Mercedes SLR McLaren no conserto, Thor Batista ficou também sem sua Ferrari 458, apreendida sem placa dianteira numa blitz policial. Isso quer dizer o seguinte: Eike Batista vai acabar comprando um Lamborghini para não deixar o filho a pé.

Exceção flex

Depois de enquadrar ciclista na lei seca, o teste do bafômetro no Rio será estendido a skatistas, patinadores, surfistas e pilotos de asa-delta. Os cadeirantes continuam, por enquanto, liberados para beber à vontade.

Efeito colateral

Amigos de José Serra estão preocupados! O tucano anda meio esquisitão depois que Geraldo Alckmin aplicou-lhe vacina contra gripe. Corre no PSDB o boato que o governador misturou qualquer coisa na injeção.

Fome de quê?

Os fãs de heavy metal não têm do que se queixar da Virada Cultural paulistana. Teve gente batendo cabeça até na galinhada do chef Alex Atala no Minhocão!

Concorrência desleal

Demóstenes Torres está preocupado com o tempo integral que seu advogado, Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, tem dedicado nos últimos dias ao vazamento das fotos de Carolina Dieckmann pelada na internet. O senador sente-se tão nu quanto a atriz perante a opinião pública.

Desde os bons tempos de Zinedine Zidane os franceses não faziam tanta festa em praça pública para ninguém.

Naturalmente que ontem já estavam todos bufando e trocando muxoxos sob o céu cinza de Paris, mas durante algumas horas da noite de domingo o presidente eleito François Hollande mudou o humor do povo mais bipolar do mundo.

Desde a conquista da Copa de 1998 a movimentação de gente na Praça da Concórdia não se parecia tanto com o carnaval de rua do Rio ou da Bahia.

O cheiro de xixi em torno do Obelisco de Luxor após o comício da vitória sobre Nicolas Sarkozy dava bem a medida da descontração da multidão que entrou pela madrugada cantando, pulando, entre abraços e beijos, rindo à toa pra cima e pra baixo nos Champs-Elysées.

Os socialistas franceses - ô, raça! - saíram às ruas para comemorar a volta ao poder como se, depois das últimas derrotas do Barcelona, fossem eles uma nova esperança de que algo ainda pode dar certo na União Europeia.

Tomara que, ao contrário de Zinedine Zidane, François Hollande não acabe dando cabeçada pelo caminho antes do fim de seu mandato.

Avec élégance

Dá gosto de ver a sucessão de

primeiras-damas na França. A jornalista

Valérie Trierweiler substitui Carla Bruni à altura!

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.