Zebra bolivariana

Legado

TUTTY HUMOR, O Estado de S.Paulo

18 de agosto de 2012 | 03h09

O prefeito carioca Eduardo Paes perdeu dois pontos nas pesquisas durante a Olimpíada de Londres. Bem feito!

Mal comparando

Julian Assange fará neste domingo, provavelmente de uma janela do prédio da Embaixada do Equador em Londres, sua primeira aparição pública desde março. Periga, com o tempo, se tornar rotina tão popular quanto a do papa no Vaticano.

O tempo não para

O ministro Guido Mantega deu a notícia ontem de manhã: "Já dobramos o Cabo da Boa Esperança!" Isso quer dizer o seguinte: estamos mais pra lá do que pra cá!

Voo tucano

José Serra tomou uma decisão: se sua candidatura não subir nas próximas pesquisas de opinião, vai dispensar o helicóptero de campanha. Não faz sentido gastar um dinheirão para continuar com os mesmos 26%!

Bem-vindas

A Embaixada do Equador em Moscou está de portas abertas para as meninas da banda russa Pussy Riot condenadas ontem por "vandalismo". Como elas vão chegar lá, aí já não é problema do presidente Rafael Correa!

Menos o que fazer

Está para chegar à Justiça o caso do marido de Ana Hickmann que chamou o marido de Adriane Galisteu de frouxo. É o tipo de coisa que eles poderiam resolver no programa da Luciana Gimenez, né não?

Por motivos de inveja absolutamente distintos, não convidem Hugo Chávez e Cristina Kirchner para reunião de cúpula com Rafael Correa. Além de tomar do parceiro venezuelano o posto de bolivariano mais em voga no momento, o presidente do Equador conseguiu com a concessão de asilo político a Julian Assange, fundador do site WikiLeaks, arrumar uma baita confusão com a Inglaterra, sonho de consumo da colega argentina.

Sem querer aqui entrar no mérito da razão jurídica ou diplomática do gesto de Quito, qualquer grande marqueteiro político assinaria embaixo a decisão de Rafael Correa, a quem os analistas de plantão já se referem como a "zebra bolivariana".

Bancar a defesa da liberdade de expressão em Londres contra a sanha imperialista operada pela Grã-Bretanha sob pressão dos EUA, convenhamos, nem em seus delírios mais agudos Hugo Chávez foi tão longe.

E, a julgar pela quantidade de "Thank you Ecuador" circulando nas redes sociais, Rafael Correa conseguiu algo inusitado no protagonismo internacional do parceiro venezuelano: simpatia externa.

Se inveja matasse, Chávez partiria hoje mesmo para Cuba em busca de cura!

Dor de cotovelo

Fãs de Maria Sharapova - ô, raça! - não se conformam: desconfiam que o casamento da tenista russa com o esloveno Sasha Vujacic, jogador de basquete do New Jersey Nets - marcado para novembro, na Turquia - tenha motivação de lavagem internacional de dinheiro. Cá pra nós, faz sentido!

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.