X-9 faz desfile tradicional, sem surpresas, mas bem orquestrado

Descobrimento do Brasil foi um dos temas abordados na homenagem aos portugueses, fundadores da escola

Gabriel Vituri - estadao.com.br,

14 Fevereiro 2010 | 03h22

 

SÃO PAULO - A X-9 Paulistana, quarta escola a entrar no sambódromo do Anhembi e que comemora 35 anos de idade, mostrou na avenida o encontro da cultura lusitana com a brasileira na época das grandes navegações e do descobrimento do Brasil, no enredo "Do Além-mar, a Herança Lusitana Nos Une... Ora, pois! A X-9 é Portuguesa com certeza".  

 

Veja também:

mais imagens Galeria de fotos da X-9

blog Acompanhe o carnaval pelo País no blog

especial Cobertura completa da folia na página especial

 

Para homenagear essa fusão, a escola do bairro Parada Inglesa, da zona norte de São Paulo, contou com a participação do cantor português Roberto Leal. Outra personalidade foi a ex-chacrete Rita Cadillac, destaque no terceiro carro.

 

Ao contrário de outras escolas, a X-9 não teve problemas técnicos e conseguiu manter o mesmo ritmo de desfile, cruzando a linha final da avenida com tranquilidade. "Correu tudo bem, graças a Deus", disse, emocionado, o presidente da agremiação, José Manuel Gaspar, após os portões fecharem atrás da última ala, aos 64 minutos, um antes do tempo permitido.

 

A cultura, a culinária, o futebol, a religião, as festas, como a do Divino e a Folia de Reis, foram temas representados em fantasias pensadas e bem resolvidas pelos carnavalescos Rodrigo Cadete e Augusto de Oliveira. O aniversário de 35 anos da escola, comemorado ontem, também foi lembrado no último carro. A X-9 inovou neste ano e colocou a carismática ala das baianas para abrir o desfile, logo após a comissão de frente.

 

O diretor de carnaval, Ricardo Alves de Azevedo, lembra: "A escola foi fundada por portugueses e descendentes, e essa foi uma forma de homenagear os nossos fundadores".

 

(Com Ana Conceição - Agência Estado)

 

Rita Cadillac desfila como Maria Louca

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.