Windows media player

Alguém já disse, num arroubo de nostalgia, que "a televisão matou a janela". Não poderia estar mais enganado. Aqui no meu quarteirão, pelo menos, TVs e finestras não são excludentes, mas duas peças complementares num curioso fenômeno sócio-esportivo: o insulto inter-condominial.

Antonio Prata, antonio.prata@estadao.com.br, O Estadao de S.Paulo

22 Março 2010 | 00h00

Acontece em dias e noites de jogos e funciona da seguinte maneira: o Corinthians, digamos, faz um gol no Palmeiras; imediatamente, os torcedores do Timão correm até suas janelas e gritam, com vozes de barítonos, que em outros tempos os levariam à ópera, ao comando de exércitos ou boiadas: "chuuuuuupa, porco imundo!!!", "Tooooma, porcaiada!!!", "Choooooora, parrrrmêra!".

Como numa batalha de trincheiras, os palmeirenses esperam, encolhidos, acabar a munição corintiana. Então, escancaram os pulmões e as persianas, no contra-ataque: "cala a booooooca, maloqueiro!", "Silêncio, gambáááá!", "Nem estádios cês têm, ô #%^*&!!!!".

Os insultos ricocheteiam no concreto, ecoam pelos corredores de ar entre os prédios do quarteirão e atingem, numa estimativa cautelosa, mais de mil pessoas. O leitor acha que estou reclamando? Muito pelo contrário. Alguém já disse, num arroubo de otimismo, que "quando uma enorme onda aproxima-se da praia, há os que fogem, os que ficam parados esperando e os que correm para surfá-la". Não poderia estar mais certo. Proponho surfar essas ondas sonoras, fazendo do insulto inter-condominial uma nova mídia publicitária.

Os profissionais da propaganda quebram a cabeça para conseguir atingir públicos específicos. Criam programas de televisão, shows, passam noites em claro bolando vídeos para jogar no YouTube e acendem velas para São Viralito, o padroeiro dos hits espontâneos, rezando para que algum deles emplaque. E o que eu tenho aqui, diante de minha janela? Uma pequena multidão de um dos nichos mais disputados: homens de 16 a 25 anos, classe AA, todos de ouvidos abertos, só esperando para escutar o nome do patrocinador que me procurar no e-mail aí em cima e enviar um cheque no valor a combinar.

Entre um "chuuuupa, porcada!" e um "cala a boca, gambá!", eu viria com "Notoriuns vídeo, a locadora das Perdizes!" ou "Cerveja Riopretana, a melhor das artesanais!". Topo, até mesmo, fazer campanha política. Quando for gol do Palmeiras, grito "Serra!". Gol do Corinthians, berro "Lula é Timão! Lula é Dilma!". Ou, independente do time: "Marina! Um novo jeito de fazer política! Um novo jeito de fazer campanha!"

Caso os anunciantes queiram ir além das Perdizes, tenho quatro primos com condições de cobrir as regiões de Pinheiros, Santa Cecília, Higienópolis e Mandaqui, e um tio avô aposentado em Botafogo, no Rio, cuja janela dá para uma faculdade particular. Aguardo contatos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.