Waldir Pires não vai à reunião de Lula sobre crise aérea

Comitê discute agravamento da crise e Lula estuda pronunciamento sobre acidente da TAM

Leonencio Nossa, do Estadão,

19 de julho de 2007 | 12h14

O ministro da Defesa, Waldir Pires, não participa da reunião do presidente Luiz Inácio Lula da Silva com os ministros do grupo de Coordenação Política para discutir a crise aérea, na manhã desta quinta-feira, 19. A reunião, no Palácio do Planalto, tem a presença de seis ministros e do vice-presidente, José Alencar. A intenção é discutir a crise aérea, agravada com a explosão do Airbus da TAM no Aeroporto de Congonhas, no começo da noite de terça-feira, 17, na zona sul da capital paulista.    Lista completa dos mortos Quem são as vítimas do vôo 3054 As histórias das vítimas da tragédia O local do acidente Opine: o que deve ser feito com Congonhas? Os acidentes mais graves da aviação brasileira Cronologia da crise aérea Conheça o Airbus A320 A repercussão da tragédia no mundo Assista a vídeos feitos no local do acidente Conte o que você viu e o que você sabe   Galeria de fotos   Tudo sobre o acidente da TAM   Participam da reunião com Lula os ministros Dilma Rousseff, da Casa Civil; Franklin Martins, Comunicação Social da Presidência; Tarso Genro, Justiça; Guido Mantega, Fazenda; Paulo Bernardo, Planejamento, Orçamento e Gestão; e Walfrido dos Mares Guia, Relações Institucionais; além do vice-presidente José Alencar.   Na reunião, o governo estuda a possibilidade de um pronunciamento de Lula sobre o acidente do vôo 3054. O presidente se recuperava da pequena cirurgia que fez na manhã de quarta-feira, 18, para retirar um terçol na pálpebra superior do olho direito, e com isso já teria condições de gravar o pronunciamento.   Desde o acidente, no começo da noite de terça-feira, os ministros do governo Lula têm se mantido na defensiva, pedindo cautela nas avaliações, mas, ao mesmo tempo, sinalizando que acreditavam mais em falha humana e técnica envolvendo o piloto e o Airbus A-320.   Por conta dessa delicada situação política, Pires só divulgou uma nota oficial 19 horas depois do acidente envolvendo o avião da TAM, em Congonhas. A cautela foi tanta que o ministro hipotecou solidariedade às vítimas, pediu que fossem evitados "julgamento precipitados", mas nenhuma informação precisa sobre o acidente foi fornecida até então.   A nota da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) também saiu com quase 20 horas transcorridas da tragédia. A nota dizia que a Anac estava em contato com a TAM e, como a Defesa, também falou em "solidariedade" para com os familiares das vítimas.

Mais conteúdo sobre:
vôo 3054crise aérea

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.