Jefferson Bernardes/AFP
Jefferson Bernardes/AFP

Vulcão no Chile causa apagão aéreo no Sul

Aeroportos do RS, PR e de SC cancelaram voos, mas previsão era que cinzas fossem para o mar

Elder Ogliari, Felipe Frazão, Rodrigo Brancatelli e Vitor Hugo Brandalise, O Estado de S.Paulo

11 de junho de 2011 | 00h00

No quarto dia seguido de complicações no tráfego aéreo da América do Sul por causa das cinzas do Vulcão Puyehue, os aeroportos brasileiros sofreram as consequências de atrasos e cancelamentos, mesmo nos voos domésticos. Pela manhã, aeroportos de Porto Alegre, Florianópolis, Navegantes, Pelotas, Joinville, Chapecó, Criciúma e Curitiba suspenderam quase todos os seus voos, atrapalhando toda a malha aérea brasileira.

A nuvem vulcânica do Puyehue chegou a atingir ontem as regiões metropolitanas de Florianópolis e Curitiba, além de ocupar 70% do território do Rio Grande do Sul. Até as 19 horas, 56 voos internacionais e 319 nacionais haviam sido cancelados no País. Os atrasos chegaram a 34,6% de todas as partidas previstas. Já nos aeroportos da Argentina, Chile e Uruguai, as cinzas cancelaram cerca de 150 voos nacionais e internacionais.

Jogos do Campeonato Brasileiro estiveram sob risco de cancelamento - às 16 horas, porém, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) confirmou a realização das partidas normalmente.

Os reflexos do vulcão puderem ser vistos também nas filas de check-in dos aeroportos. Em Congonhas, passageiros com destino ao Sul chegavam com antecedência para tentar, em vão, antecipar o voo.

"Tentei adiantar a passagem, mas a Gol não está trocando horários para Porto Alegre nem Florianópolis", disse o consultor Daniel Martin, que prorrogara reserva em um hotel no Morumbi - em caso de eventual cancelamento da viagem. "Estou há duas semanas em São Paulo e não imaginava que os reflexos (do vulcão) chegariam aqui", disse o engenheiro Álvaro Raminelli, de 22 anos.

Também engenheiro, Everton Philippsen, de 33 anos, estava disposto a desistir do avião para Porto Alegre. "Vou esperar no máximo até 21 horas (de ontem). Se não emitirem o bilhete, vou à rodoviária tomar um ônibus."

No Aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre, quase todas as pessoas tiveram de mudar seus planos. Foi o caso do grupo de dança Raízes da Paz, de Ivoti (RS), que tinha temporada de apresentações na Paraíba a partir de hoje. As 25 pessoas da equipe tiveram de transferir as passagens para a próxima quarta-feira e pediram que os organizadores façam uma nova programação dos espetáculos no Nordeste.

Em nota, TAM e Gol reafirmaram que prestam a assistência necessária aos passageiros atingidos pelos cancelamentos.

A nuvem de cinzas se deslocou para o Oceano Atlântico e não deve atingir os aeroportos de São Paulo, informou boletim do Centro de Gerenciamento de Navegação Aérea (CGNA) da Aeronáutica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.