Votorantim terá de restaurar capela de Ramos de Azevedo

SOROCABA

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

07 de junho de 2011 | 00h00

Uma singela capelinha dedicada a Nossa Senhora da Conceição virou uma dor de cabeça para o grupo Votorantim, um dos principais conglomerados industriais do País. A pequena igreja está abandonada nas terras do grupo, no bairro Inhaíba, zona rural de Sorocaba, mas o Ministério Público Estadual descobriu que ela foi projetada e construída pelo arquiteto Ramos de Azevedo, o mesmo que projetou o Teatro Municipal de São Paulo e a Pinacoteca do Estado.

O MPE quer que o grupo restaure e preserve a capela, que também foi frequentada por Alberto Santos Dumont. A Justiça não só acolheu o pedido, como fixou multa diária de R$ 10 mil em caso de descumprimento.

A capela está nos limites da Fazenda Santa Maria, que pertenceu ao arquiteto paulistano, antes de ser vendida ao grupo Votorantim. Ele dirigiu pessoalmente a construção, em 1930. Numa das idas à propriedade, em 1931, Santos Dumont decidiu fazer um testamento e o lavrou em um cartório de Sorocaba - ele morreria um ano depois, no Guarujá. Para o promotor de Justiça de Sorocaba, Jorge Alberto de Oliveira Marum, trata-se de imóvel de grande valor artístico, cultural e histórico. Na semana passada, a Justiça deu liminar em ação civil pública proposta por Marum obrigando a empresa a restaurar e preservar a capela. De acordo com o promotor, a empresa havia assumido em 2009 o compromisso de restaurar esse patrimônio, mas nada foi feito.

O Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico de Sorocaba tem estudo para o tombamento da capela. O grupo Votorantim disse que só deverá se manifestar após conhecer o teor da ação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.