TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO
TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

Volume do Cantareira sobe pela primeira vez após 10 dias de queda

Principal sistema de abastecimento de São Paulo opera com 16,1% da capacidade; Guarapiranga também subiu

O Estado de S. Paulo

26 de setembro de 2015 | 11h14

SÃO PAULO - As fortes chuvas que atingiram São Paulo desde o início desta sexta-feira, 25, fizeram o Sistema Cantareira, considerado o principal manancial de São Paulo, a interromper a sequência de dez dias de queda de seu volume. A capacidade neste sábado subiu 0,1 ponto percentural em relação à sexta, chegando a 16,1%, de acordo com relatório divulgado pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp).

O volume do Cantareira considera duas cotas de volume morto adicionadas no ano passado. Responsável por abastecer 5,2 milhões de pessoas na capital e Grande São Paulo, o sistema já superou a expectativa de chuvas para setembro. Até este sábado o manancial acumulou 138,5 milímetros, enquanto a média histórica é de 86,6 mm. Apesar disso, como o solo está muito ressequido por conta da seca histórica que atingiu a região desde o início do ano passado, a água não é totalmente absorvida.

Outros mananciais. O Sistema Guarapiranga também subiu 0,2 ponto, chegando a 77%. Já os sistemas Alto Tietê e Alto Cotia ficaram iguais. Os sistemas Rio Grande e Rio Claro caíram 0,2 ponto, chegando a 85,4% e 55,7% respectivamente.

O Sistema Alto Tietê, que atravessa crise severa, está em 15% da sua capacidade. Esse índice já leva em conta um volume morto, acrescentado no ano passado. 

Mais conteúdo sobre:
Crise da Água,São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.