Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Volta do relógio marca fim da 1ª fase da reforma do prédio da Luz

Incêndio em dezembro de 2015 destruiu Museu da Língua Portuguesa; 'Estado' teve acesso exclusivo ao local nesta terça-feira

Edison Veiga, O Estado de S.Paulo

06 Dezembro 2017 | 03h00

SÃO PAULO - A fuligem nos corredores, o vazio nos espaços antes ocupados por exposições e o vaivém de operários são a intermitente cicatriz que remete ao incêndio de grandes proporções. Mas a fachada recuperada e o relógio que voltará a funcionar na manhã desta quarta-feira, 5, servem como recado público: o Museu da Língua Portuguesa vai voltar.

+++ Incêndio em Museu da Língua Portuguesa começou no 1° andar

Quase dois anos após a tragédia de 21 de dezembro de 2015, quando o fogo destruiu suas instalações, deixou um morto e causou sua interdição, a instituição que ocupa parte do histórico prédio da Estação da Luz comemora o fim da primeira das três etapas previstas de recuperação. Fachadas e esquadrias estão novas em folha. 

+++ ‘Quando chegou na torre do relógio, o fogo ficou retido’

“Oitenta operários participaram dessa fase”, diz a arquiteta Ana Flávia Costa Rolim. Na tarde desta terça-feira, 5, o Estado teve acesso exclusivo ao local e conferiu os resultados. As 230 esquadrias estão todas recuperadas e já protegidas por um tapume de madeirite para que não sejam danificadas nos trabalhos de recuperação da cobertura. 

+++ Desde 2006, Museu é espaço para valorizar a língua portuguesa

“85% delas foram restauradas, em parte com madeiramento calcinado por causa do incêndio”, conta Ana Flávia. “O restante não pôde ser recuperado e precisou ser refeito.” Restauro feito ali dentro mesmo. “Para este trabalho, montamos uma verdadeira oficina no canteiro de obras”, relata a engenheira Graciele Aniceto.

Apesar de a fachada estar pronta, os tapumes e a tela que protegem o prédio não serão retirados ainda. “É preciso manter a proteção no decorrer dos trabalhos”, diz Regina Ponte, coordenadora da unidade de Preservação do Patrimônio Museológico da Secretaria Estadual de Cultura. 

Foi preocupação semelhante, aliás, que manteve o imponente relógio do alto da torre desligado desde a tarde do incêndio. O aparelho não foi danificado durante o incidente. Optou-se, entretanto, pela sua retirada para que nenhum risco houvesse de que os trabalhos de recuperação da torre interferissem em seu funcionamento. “Então aproveitamos para fazer manutenção e restauro”, conta Regina. Na manhã desta quarta, seus ponteiros voltarão à ativa e poderão novamente ser vistos em seus mostradores de 4,4 metros de diâmetro. 

A segunda etapa dos trabalhos de recuperação já começou em setembro. Cerca de 60 operários dedicam-se à recuperação dos torreões, restauro dos pátios e reconstrução da cobertura do edifício - que cedeu com o incêndio. Para isso, uma oficina de carpintaria foi montada e é ali que toda a estrutura dessa cobertura vem sendo preparada. Apesar de recuperar a mesma volumetria da construção anterior, será uma modernização. Isso porque, graças a uma combinação entre peças de madeira, cabos de aço e revestimento de zinco, a configuração interior será mais ampla e contemporânea.

Pelo organograma, os trabalhos desta fase só serão concluídos em julho. Aí deve ser iniciada a etapa final: o restauro do interior do prédio. “Em paralelo, o plano museológico já está sendo feito”, antecipa a coordenadora Regina. 

Essa sincronia é necessária para que os planos sejam cumpridos, ou seja, o novo Museu da Língua Portuguesa abra suas portas, renascido das cinzas e modernizado, até o fim de 2019. O custo total dessa reconstrução é de R$ 65 milhões. A iniciativa privada bancou R$ 36 milhões e o restante será custeado graças à indenização do seguro contra incêndio. 

 

Sustentável

A ideia de reaproveitar o madeiramento tem função histórica e ambiental. O material, peroba-do-campo rosa e amarela, era datado de 1946. Além disso, o museu quer obter o selo Leed, certificação internacional para construções sustentáveis. 

Se o projeto for executado conforme previsto, a instituição receberá a classificação prata. Isso porque os trabalhos preveem reaproveitamento de material, uso de madeira certificada, redução de consumo de energia, coleta de água de chuva e gestão de resíduos. 

Nos dez anos em que esteve em funcionamento, o Museu da Língua Portuguesa recebeu 4 milhões de visitantes. Em 2015, mesmo ano que houve o incêndio, havia sido eleito pelo site Trip Advisor como um dos três melhores da América Latina. 

Para lembrar: parede foi escorada

Antes do restauro começar, foram necessárias obras de emergência na Estação da Luz. Por dois meses, guindastes interditaram a rua. As paredes do perímetro, que ficaram intactas, foram escoradas. Também foi realizada a impermeabilização da estrutura. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.