Vizinhos temem Ca''D''oro vazio

Demolição do hotel foi interrompida e vizinhança diz que abandono atrai insetos e traz insegurança

Cristiane Bomfim, O Estado de S.Paulo

11 Fevereiro 2011 | 00h00

Pernilongos, lixo e entulho tomaram conta das obras de demolição do Hotel Ca"d"Oro, na Rua Augusta, região central de São Paulo. Há cerca de 15 dias elas estão paradas. Sem data para retomar as obras, a incorporadora Brookfield, que comprou o imóvel em 2009, diz que os trabalhos estão suspensos porque o projeto para o terreno aguarda aprovação na Prefeitura.

Vizinhos reclamam que as obras abandonadas deixaram o local mais inseguro. "Fico preocupado porque o hotel pega um quarteirão e, agora, sem ninguém trabalhando, há pessoas que entram no local à noite. Está mais perigoso", afirma Darcy Gersosimo, diretor da Ação Local Avanhandava, associação que cobra melhorias na área. A Brookfield diz que mantém quatro seguranças nas ruas do entorno. O Ca"d"Oro tem acesso pelas Ruas Augusta, Caio Prado e Avanhandava.

Outra reclamação é a proliferação de mosquitos e pernilongos. Os vizinhos temem que o local vire foco de dengue, por causa da água parada.

Das janelas dos edifícios da Avanhandava é possível ver, nos fundos do hotel, uma piscina vazia, mas que fica cheia a qualquer chuva e se transforma em viveiro de insetos. Há poças no estacionamento - apesar do sol forte dos últimos dias, elas não secaram. "Eles entram no meu apartamento, no 9.º andar. Pode ser até mosquito da dengue", reclama a dona de casa Vera Lúcia Gonçalves de Oliveira, moradora da Avanhandava.

A Brookfield diz que são realizadas verificações frequentes contra água parada ou insetos. A Coordenação de Vigilância em Saúde informa que foram feitas duas ações no hotel em 2010 e não foi encontrada água parada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.