Vizinho barulhento

PROGRAMA DE SILÊNCIO URBANO

O Estado de S.Paulo

23 Dezembro 2011 | 03h02

Sou subsíndica de um edifício na Rua Augusta. Há um ano foi inaugurada uma boate ao lado do prédio e não tivemos mais sossego. O barulho, a bagunça e os carros que param na porta do prédio incomodam muito. Já protocolamos reclamação no Programa de Silêncio Urbano (Psiu), na Ouvidoria da Prefeitura e até mandamos carta ao prefeito, mas o desrespeito permanece.

RAQUEL DE ARRUDA CAMPOS BARCELLOS / SÃO PAULO

A Secretaria de Coordenação das Subprefeituras informa que o Psiu programou uma medição dos níveis de ruído no local em 18/12, às 23 horas. Conforme o resultado da medição, o proprietário será notificado e terá que providenciar a regularização da situação. Na permanência da irregularidade, multas poderão ser aplicadas.

A leitora contesta: O problema não foi resolvido e o Psiu continua alegando que está tudo bem no local. Após contato com a coluna, o Psiu informou que faria uma blitz no local, em 16/12. Se o barulho continuasse, eu deveria acionar o serviço e solicitar a medição no interior do apartamento. Em 16/12 liguei para o Psiu e a blitz foi confirmada. Pois bem, era meia-noite e o bar estava lotado. Liguei para o Psiu e me disseram que haveria blitz na região, mas não sabiam me dizer se ela passaria pela boate. No sábado (17/12) o bar abriu normalmente e o telefone do plantão do Psiu não atendeu. Domingo (18/12) o sr. Sidney me ligou para fazer a medição no apartamento, mas expliquei que, às 19 horas, a boate já estaria fechada. Em 19/12 liguei para o Psiu para questionar sobre a blitz e, para minha surpresa, a atendente informou que houve fiscalização e o isolamento acústico da casa estava adequado. A conclusão é de que o Psiu ignora completamente o problema.

PRECARIEDADE

Buracos na calçada

Há muito reclamo da situação precária da calçada do Colégio Estadual Conselheiro Rodrigues Alves, e nada é feito. Há tempos foi removida uma árvore e ficaram vários buracos na calçada. Em novembro a escola serviu de palco para uma convenção de partido político, o que provocou um barulho absurdo e deixou uma enorme sujeira. É legal uma escola estadual ceder seu espaço para esse fim? Se for possível alugar o local, por que não converter o valor arrecadado em benefícios para a escola e a coletividade, como o conserto da calçada?

SÍLVIA CRISTINA SAMOR

/ SÃO PAULO

A Secretaria da Educação do Estado informa que a Lei nº 10.309 prevê o uso de dependências de escolas estaduais para fins comunitários. Mas, a fim de assegurar que não ocorra nenhum tipo de discriminação, a secretaria publicará norma determinando que não seja atendida nenhuma solicitação de uso de escolas por instituições político-partidárias. Em relação ao estado da calçada, diz que enviará um técnico ao local para avaliar a necessidade de reparos.

A leitora comenta: A calçada permanece igual. Quando chove, várias pessoas sofrem quedas, pois, além dos inúmeros buracos, o piso é escorregadio.

RENOVAÇÃO DA CNH

Burocracia causa demora

No dia 23/9 dei entrada na renovação da minha Carteira Nacional de Habilitação (CNH) na Ciretran de Vinhedo. O prazo informado era de 20 dias. Porém, o prazo venceu e não recebi o documento. No início de dezembro soube que o caso estava parado no Departamento Estadual de Trânsito (Detran). Reclamei no Disque Detran, mas não obtive retorno.

JOHN BERNARD BROWN

/ VINHEDO

O Detran-SP informa que a CNH do leitor foi emitida em 13/12 e já está de posse do condutor. A renovação de CNHs de estrangeiros habilitados no Brasil exige a atualização do Registro Nacional de Estrangeiros (RNE), com a autorização do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), sediado em Brasília - o que, em alguns casos, amplia o prazo para sua emissão.

O leitor relata: Não entendo o motivo de tanta demora. Um dia após reclamar ao jornal e à Ouvidoria da Secretaria de Gestão Pública, o órgão enviou solicitação para a regularização da CNH ao Detran. O documento só ficou pronto em 16/12.

Esclarecimento: Em relação à reclamação do leitor sr. Amadeu R. Garrido de Paula (sobre a escuridão em vários pontos do Parque Ibirapuera), publicada em 22/12, a Secretaria de Serviços, por meio do Departamento de Iluminação Pública (Ilume), informa que uma equipe de manutenção compareceu ao Parque Ibirapuera no dia 21/12 e substituiu seis lâmpadas próximas ao museu Afro Brasil. O Ilume faz vistorias semanais no parque para detectar as possíveis falhas na rede de iluminação e para realizar, então, as manutenções. Esclarece que em alguns locais específicos do parque as lâmpadas funcionam de maneira especial, por causa da proteção à fauna.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.