Marina Malheiros-8/3/2009
Marina Malheiros-8/3/2009

Viúva de Roberto Marinho morre no Rio, aos 89 anos

Nascida na Alemanha e eleita Miss Paris aos 17 anos, a socialite gostava de colecionar obras de arte

Clarissa Thomé, O Estado de S.Paulo

06 Janeiro 2011 | 00h00

Viúva do jornalista Roberto Marinho - dono das Organizações Globo - , a socialite Lily de Carvalho Marinho morreu ontem à noite, no Rio, aos 89 anos, de falência múltipla dos órgãos. Estava internada havia 24 dias na Clínica São Vicente, na Gávea, com infecção respiratória grave. O corpo será enterrado hoje no Cemitério São João Batista.

Lily Monique Lemb nasceu em Colônia, na Alemanha, em 1921, mas cresceu na França - foi eleita Miss Paris aos 17 anos. Casou-se com o empresário Horácio de Carvalho nos anos 40 - com ele permaneceria por 45 anos e teve o único filho, Horacinho, que morreu aos 26 anos, em um acidente de carro. Logo depois, adotou João Batista, que lhe deu quatro netos.

No fim dos anos de 1980, reencontrou o empresário Roberto Marinho, que conhecera nos anos 40. Casaram-se apaixonados - ela gostava de contar que a partir das 17h nem atendia o telefone, para ficar inteiramente disponível para o marido. Em 2004, um ano depois da morte do jornalista, escreveu, em francês, o livro Roberto e Lily, em que narra os 15 anos de convivência.

Vaidosa, dona de lindas joias e famosa pelas célebres festas que dava na mansão do Cosme Velho - por onde passaram políticos, empresários, artistas, reis e rainhas -, Lily também era conhecida pelo interesse por cultura. Era embaixadora da Boa Vontade da Unesco e presidiu as comissões de honra das exposições de Rodin, Picasso, Camille Claudel e Monet no Brasil. Também colecionou arte.

Em 2008, anunciou que leiloaria todos os bens. Queria evitar brigas na família. "Estou organizando a minha retirada. Devo ter mais uns três anos de vida pela frente. Está na hora de colocar minha sucessão em dia", explicou.

Dilma. Em nota, a presidente Dilma Rousseff lamentou a morte e manifestou solidariedade aos parentes e amigos. Dilma lembrou o almoço oferecido a ela por Lily, no início da campanha presidencial, afirmando que ficara comovida com o gesto. "Lily Marinho teve importante atuação na defesa dos mais necessitados, desenvolvendo diversos projetos sociais", diz a nota.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.