Vítima sempre teve 2 amores: a bola e a bike

Amor. Persistência. Harmonia. Felicidade. Os pictogramas japoneses que representam esses sentimentos e virtudes são algumas das ilustrações que David Santos Sousa, de 21 anos, estampou recentemente em seu caderno escolar de desenhos. Mas também tratam de características que ajudam a ilustrar sua trajetória.

O Estado de S.Paulo

16 Março 2013 | 02h08

Com dificuldade, foi criado pelos pais em uma casa pequena no Jardim Novo Pantanal, na periferia da zona sul de São Paulo, onde dividia o quarto com os quatro irmãos mais velhos. Já na infância teve dois amores, o futebol e a bicicleta, dos quais nunca largaria. Logo virou goleiro nas partidas que disputava com os amigos do bairro. A bike, por sua vez, sempre o levou de cima para baixo, conta o irmão Bruno Santos Sousa, de 23 anos.

Persistente no sonho de fazer um curso de segurança do trabalho, Souza economizava o dinheiro da condução pedalando. Sua meta era se formar para um dia ir trabalhar em Macaé (RJ), na Petrobrás, conforme confidencia a mãe, Mas há outras coisas que o fazem feliz: um bom pagode, por exemplo. Ou o rap. Ele também gosta de desenhar, e não só para escola - está no supletivo, concluindo o ensino médio. Por ser destro e ter perdido o braço direito, agora quer aprender a escrever e a desenhar com o esquerdo. Com isso, tentará retomar a harmonia da vida. /C.V.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.