Vítima de sequestro, família é resgatada pela PM em Paraisópolis, no Morumbi

Engenheiro, esposa e filho saíram ilesos; apenas um dos três bandidos foi preso

Pedro da Rocha, do estadão.com.br,

29 de fevereiro de 2012 | 02h19

Notícia atualizada às 6h51

 

SÃO PAULO - Um engenheiro químico de 52 anos, a esposa dele, de 50, e o filho, de 22, viveram momentos de terror nas mãos de três sequestradores, na noite de terça-feira, 28, na região do Morumbi, zona sul de São Paulo. Mas um dos bandidos acabou preso pela Polícia Militar (PM) e a família resgatada no interior da Favela Paraisópolis.

 

O engenheiro químico contou que parou seu Citroën C4 Pallas em um farol na Avenida Professor Francisco Morato, na altura do número 4000, por volta das 21h30, na volta de um culto religioso, quando foi abordado pelos criminosos, dois deles armados. "Um dos assaltantes parecia ter 12 anos. Achei que eles iriam levar o carro, mas fizeram eu e minha família reféns e seguiram para a favela Paraisópolis", disse a vítima.

 

A todo momento os bandidos discutiam entre si e aparentavam nervosismo, relatou engenheiro. O que estava dirigindo chegou a bater o carro em uma mureta. Eles se comunicavam com um quarto integrante por celular e exigiam os cartões bancários das vítimas.

 

Em um terreno baldio dentro da favela dois dos sequestradores desceram com os reféns, enquanto o terceiro seguiu dando voltas com o carro. Próximo à Paraisópolis policiais viram o veículo e suspeitaram da atitude do condutor. "Fizemos a abordagem, pressionamos o motorista, que confessou ter participado de um sequestro. Ele então nos indicou onde estavam as vítimas", afirmou o soldado Hugo de Oliveira, da 5ª Cia do 16º Batalhão.

 

Os outros criminosos suspeitaram que algo havia dado errado pela demora do comparsa. "Eles falaram para seguirmos andando, que estavam nos liberando", relatou o engenheiro químico. Os policiais encontraram a família na Rua da Independência.

 

"Fizemos tudo o que os assaltantes nos pediram e correu tudo bem, mas algo podia ter acontecido, nunca se sabe", desabafou a vítima, "a região está desguarnecida, falta uma estratégia para a segurança pública. Moro no Morumbi há 23 anos, mas agora penso em sair daqui", finalizou.

 

O preso estava sem documentos e disse à polícia se chamar Josias Maciel da Silva, de 19 anos. O caso foi registrado no 89º Distrito Policial (DP). Os outros dois sequestradores fugiram.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.