Vítima acha sequestrador pelo Orkut

Após passar 15 dias no cativeiro, comerciante iniciou buscas na internet; polícia foi avisada e suspeito foi preso ontem em São Vicente

Tiago Dantas, O Estado de S.Paulo

17 de setembro de 2010 | 00h00

Uma comunidade do Orkut levou a polícia a um homem acusado de sequestro e tráfico de drogas. O perfil do suspeito no site foi encontrado por uma de suas supostas vítimas. Eduardo Trigo Marques dos Santos, de 34 anos, foi preso anteontem dentro de casa, em São Vicente. A namorada dele, Kelly Daniely da Silva, de 20, também foi detida.

Uma comerciante de 25 anos, que pediu para não ser identificada, foi determinante para a prisão. Ela se lembrou que, enquanto era mantida refém, em março, ouviu os sequestradores falarem o nome do bairro Quarentenário. Após ser libertada, passou a procurar pistas na internet.

Em uma das páginas do Orkut dedicada ao bairro, a comerciante achou foto de um homem parecido com o responsável por vigiá-la durante o cárcere. A jovem estava certa de que localizara um dos sequestradores e avisou a polícia de Vargem Grande Paulista, na Grande São Paulo, onde vive.

"A vítima foi orientada pela polícia para fazer isso. Criou um perfil para poder conversar com ele e conseguir algumas informações importantes para a investigação, como o telefone do suspeito", explicou o delegado do Setor de Investigações Gerais da Seccional de Carapicuíba, Ednelson de Jesus Martins, responsável por Vargem Grande.

Os investigadores chegaram à casa de Marques por volta das 19 horas de anteontem e encontraram cerca de 35 quilos de maconha. O suspeito e a namorada foram autuados em flagrante por tráfico. Na delegacia, ele foi reconhecido pela comerciante e vai responder também por sequestro.

Cativeiro. A comerciante ainda não se recuperou totalmente do sequestro. "Não tenho uma vida social como antes." Ela lembra que foi abordada no trabalho, em Vargem Grande, por três homens, em 13 de março. Foi colocada em um carro e levada para um matagal em São Vicente.

Por três dias, ficou em um buraco de 1,5 metro de largura por 2 metros de comprimento e chegou a ser amarrada. "Eu não via a luz do dia. Quase enlouqueci. Estava toda suja, machucada." No quarto dia, ela foi levada a uma casa alugada. Uma denúncia anônima levou policiais de São Vicente ao cativeiro em 28 de março. Um criminoso foi preso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.