Visita até assusta paciente

BELO HORIZONTE - Acostumada a frequentar consultórios por causa da bronquite e da sinusite que apresenta desde criança, a dona de casa Telma Ferreira, de 28 anos, teve anteontem seu primeiro contato com um profissional do programa Mais Médicos. Em uma crise de bronquite, procurou o Posto de Saúde Vilas Reunidas, no bairro General Carneiro, uma das áreas mais carentes de Sabará, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

MARCELO PORTELA, O Estado de S.Paulo

20 de outubro de 2013 | 03h07

Telma foi atendida pelo cubano Jorge Alberto Gil de Monte Santana e gostou do serviço. "Ele foi muito atencioso, me passou um remédio na hora e melhorei", diz ela, que não se incomodou com o sotaque do médico.

Diariamente, de 300 a 400 pessoas procuram por um dos cinco médicos do posto, segundo a gerente da unidade, Fabrícia Víncola. Mas nem a alta procura impressionou Santana, que tem 32 anos de idade e sete de profissão.

Além do atendimento no posto, o profissional atua no Programa de Saúde da Família (PSF) e fez duas visitas a residências da comunidade. "Assustaram um pouco, porque as pessoas não estão acostumadas com um médico ir à casa delas", disse. E ele ficou surpreso com a falta de informação das pessoas. "Tive de mostrar onde devem pôr o lixo, explicar que devem beber água fervida e que devem evitar contato com água de esgoto", contou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.