Virada Cultural será mais cara e maior; Sé fica de fora

Próxima edição do evento da Prefeitura, que acontece nos dias 26 e 27, será 2 vezes maior, com 800 atrações

Camilla Rigi, de O Estado de S. Paulo,

02 de abril de 2008 | 20h47

A Virada Cultural de 2008 será duas vezes maior, pelo menos em número de atrações e no investimento feito pela Prefeitura de São Paulo. São 800 apresentações a um custo de R$ 6,8 milhões. Enquanto, no ano passado, foram gastos R$ 3,7 milhões em 350 atrações. Além do tamanho, este ano o evento tem outra novidade: vai se concentrar no centro. Mas a Praça da Sé, onde houve confronto entre público e polícia em 2007, está fora do roteiro.  Veja também:Lista das atrações da Virada Cultural 2008    "Conseguimos criar um bom formato. Queremos que as pessoas voltem a ocupar o espaço urbano do centro", disse o secretário municipal de Cultura, Carlos Augusto Calil. A Virada está marcada para começar às 18 horas do dia 26 de abril e terminar 24 horas depois. No total, serão montados 26 palcos, dos quais 24 funcionarão ininterruptamente. Serão mais de 5 mil artistas envolvidos. Entre os principais estão Gal Costa, Zé Ramalho, Mutantes e Jorge Ben Jor - todos se apresentarão no palco da Avenida São João.  Entre os palcos que terão programação 24 horas está o Boteco dos Bambas. Com mesinhas de bar onde os músicos se revezarão, o palco será montado no Largo Santa Ifigênia. No Vale do Anhangabaú, o destaque é para a improvisação, com jam sessions.  Nas ruas, o show ficará por conta de grupos de acrobatas.Assim como no ano passado haverá apresentações em fachadas de 20 prédios da cidade. Um globo da morte e um trapézio de 45 metros também serão montados no Vale do Anhangabaú. As apresentações mais periféricas ficarão restritas aos 26 Centros Educacionais Unificados (CEU) e às unidades do Sesc. "Consultamos a comunidade de cada um dos CEUs para saber o que queriam. E percebemos que eles também querem grandes artistas, que não fazem parte da rotina deles", disse Calil. O secretário garante que a programação da periferia tem a mesma qualidade que a do centro.  A expectativa da Prefeitura é atrair, além dos paulistanos, 300 mil visitantes de cidades do interior, totalizando um público de 3 milhões de pessoas. Se a meta for atingida, a São Paulo Turismo (SPTuris) estima que somente nas 24 horas de Virada sejam movimentados R$ 90 milhões na cidade. Em 2007, o evento atraiu 150 mil turistas.  Segurança O presidente da SPTuris, Caio Luiz de Carvalho, informou que 1,2 mil seguranças privados foram contratados, além dos homens da Polícia Militar e da Guarda Civil Metropolitana. Para atendimento de emergências, 30 ambulâncias ficarão de plantão. A Praça da Sé, palco do confronto entre público e polícia antes da apresentação do grupo de rap Racionais MC’s,em 2007, está fora do roteiro. Segundo o secretário de Cultura, o motivo é que o local não comporta um público muito grande. O palco foi então transferido para a Avenida São João. "É um lugar ainda maior, onde cabe mais gente", explicou.  O palco de rap e hip-hop ficará no Parque D. Pedro, mas os Racionais estarão de fora. "Eles não estão na programação por uma questão temática", disse Calil, que informou que o grupo estará viajando na data do evento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.