Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Virada Cultural 2014 tem o dobro de presos da edição anterior

Se forem considerados os indiciados pela polícia, chega-se a 108 pessoas detidas; secretaria destaca aumento do número de roubos na região central

Luciano Bottini Filho, O Estado de S. Paulo

19 Maio 2014 | 17h52

Atualizada às 19h12

SÃO PAULO - A Virada Cultural de São Paulo deste ano teve o dobro do número de presos pela Polícia Militar. Foram 56 detidos em flagrante no evento, ante 28 no ano passado e 9 em 2012. Se forem contados os indiciados pela polícia, o número deste ano chega a 108.

O número de detidos e encaminhados para as delegacias, no entanto, é muito maior do que os 108 indiciados pela Polícia Civil. Só nas primeiras horas do evento, foram encaminhadas mais de 60 pessoas para as delegacias por causa dos chamados "bondes", grupos que promovem arrastões. Nessas situação, muitos são liberados por falta de provas.

Segundo a PM, foram registradas 30 vítimas, a maioria por roubo. Como nem todas as pessoas registraram ocorrência, até por causa das delegacias lotadas, esse número ainda não é total. Entre os feridos, sete pessoas foram baleadas, mas não houve mortos.

De acordo com dados da Central de Análise e Planejamento (CAP), da Secretaria da Segurança Pública, a média diária de ocorrências na área onde foi realizada a Virada é de 50,88 roubos por fim de semana - conforme dados de janeiro a abril. No fim de semana anterior ao da Virada (dias 10 e 11 de maio), o total de roubos registrado foi de 15 ocorrências na mesma região. Na Virada Cultural, houve 71 registros na área, ou seja, número bem superior ao da média.

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), disse nesta segunda-feira, 19, que as secretarias municipais fizeram um "excelente trabalho" na Virada Cultural 2014 e, apesar dos casos de violência, a Polícia Militar agiu só para combater abusos.

"No que concerne à prefeitura, acho que foi feito um excelente trabalho pelas Secretarias de Cultura e Serviços. A programação foi aprovada pelas pessoas com as quais eu conversei e fizemos um trabalho melhor em relação a iluminação e limpeza", completou Haddad, após participar da abertura da Reunião Geral da Frente Nacional de Prefeitos, em um hotel no centro de São Paulo.

Estado. O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), ressaltou que o patrulhamento da PM foi recorde em 2014, com 2.702 homens. "O trabalho foi intenso", afirmou.

Informações divulgadas pela própria corporação em 2013, porém, indicavam que ao menos 3.424 policiais participaram da operação no ano passado - só 350 PMs a mais do que em 2012. A Secretaria da Segurança Pública informou, na sequência, que o número correto do efetivo no ano passado seria de 2.450 policiais no patrulhamento.

O secretário da Segurança Pública, Fernando Grella, também defendeu a atuação policial. "Teve uma produtividade elevada. Evidente que em um evento dessa natureza é impossível evitar esse tipo de ocorrências (crimes)." Ao todo, a polícia abordou e identificou 16.686 pessoas - a maioria entre zero hora e 6h de domingo. Esse número é bem maior do que em 2012, quando foram abordadas 1.141 pessoas.

Feridos. Das 80 pessoas que foram encaminhadas para a Santa Casa, em Santa Cecília, provenientes da Virada Cultural, três permaneciam internadas até as 18h desta segunda-feira, 19. De acordo com a unidade, duas foram baleadas e uma esfaqueada durante o evento. O estado de saúde delas é considerado estável.

Mais conteúdo sobre:
São Paulo SP Virada Cultural

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.