Vinicius nas Gerais

Pouco antes de ser escorraçado do Itamaraty pela ditadura militar, no final dos anos 1960, Vinicius de Moraes esteve por um tempo à disposição do governo de Minas, para ajudar na organização de festivais de arte em Ouro Preto - e, como protagonista ou como coadjuvante, deixou nas montanhas um rastro de historinhas.

Humberto Werneck, O Estado de S.Paulo

01 de maio de 2011 | 00h00

Havia sempre uma escala em Belo Horizonte, e nessas ocasiões, mal botava o pé na cidade, o poeta requisitava, nesta ordem, umas cervejas e a presença de um jovem violonista que foi para ele, como companhia & acompanhante, uma espécie de precursor do Toquinho. O rapaz era de boa família e o pai dele, oftalmologista ilustre, não viu com bons olhos aquela camaradagem etílico-musical. Certo domingo, amanheceu na varanda para tocaiar o filho - que, envolto num halo de bebida e cigarro, chegou com sol alto, sobraçando o violão. Ao ver o rosto enfarruscado do velho, o moço pingou um oi antes de se enfurnar na sua toca. Nem bem se despira quando entrou a carranca paterna:

- Você gosta de violão, não gosta?

- Si-im - tartamudeou o filho.

- Você gosta de tomar cerveja, não gosta?

- Si-im...

- Você gosta da boemia, não gosta? - volveu o pai, dois tons acima.

- Si-im - assentiu o outro com o que lhe restava de voz.

- Pois então pegue o seu violão - bramiu o doutor, dedo trêmulo apontando a porta - e vá... e vá... para... os seus Vinicius de Moraes!

*

Como ele não aparecesse para o bate-papo na faculdade e o auditório já se impacientasse, concluímos que o jeito era ir buscá-lo. Vinicius de Moraes - a nossos olhos juvenis pouco menos que um macróbio, em seus 52 anos de idade - estava hospedado em casa de amigos, num distante subúrbio de grã-finos, e para lá tocamos no Ford Fairlane que o pai de um colega, dada a relevância da missão, concordara em franquear ao filho. Tivemos de esperar que o poeta fosse despertado e, sem nenhuma pressa, se preparasse. Sonolento, aboletou-se no centro do banco de trás e viajou quilômetros sem dizer palavra, as mãos cravadas no encosto do banco da frente. Quando abriu a boca foi para pedir uma paradinha em algum lugarzinho onde houvesse uma cervejinha. Num bar de beira de estrada, pachorrentamente, Vinicius mamou uma, duas, três cervejinhas, e fez a felicidade do garçom, que, ao ver o retrato na contracapa do meu exemplar da Antologia Poética, por pouco não deixou a bandeja cair:

- O senhor é ele?!

Achou até bonitinho. Dureza mesmo deve ter sido ouvir o "achado" com que o presidente do centro acadêmico o recebeu no auditório da faculdade:

- Vinicius, por que demorais?

*

Num intervalo entre duas de suas nove mulheres, Vinicius de Moraes vivia em Ouro Preto uma crepitante e um tanto escancarada lua de mel. O problema é que, além de abusar da regra três, ele ainda não fechara a fatura do casamento anterior, e as murmurações rapidamente viajaram até o Rio de Janeiro, indo bater nos ouvidos da esposa que, sem o saber, estava prestes a ganhar passe livre. A qual, injuriada, não teve dúvida: mandou-se para Ouro Preto, onde chegou de surpresa, decidida a irromper, ah, sim!, ele vai ver! no cenário do adultério. E assim teria sido, se uma boa (ou má) alma, vendo entrar na cidade o Fusca da esposa traída, não tivesse corrido para prevenir o traidor. Este, talvez com sólido know how em situações do tipo, tratou de limpar a cena do crime, o que consistiu em despachar a namorada e seus pertences para outro quarto do hotel. Estava até tranquilo quando a mulher, direto ao trinco, fez estrepitosa entrada no apartamento, que se pôs a escarafunchar com rosnados de cão raivoso. Nada no quarto. Nada no banheiro. O marido já considerava a tempestade por afastada quando o olhar perquiridor da consorte deu com a camisa polo no encosto da cadeira.

- É minha! - apressou-se o poeta em esclarecer, sem que nada lhe houvesse sido perguntado, e por enervantes minutos bufou na tentativa de se empacotar numa Lacoste fúcsia vários números abaixo do seu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.