Vila Madalena luta por trânsito calmo

Moradores e frequentadores do bairro fazem campanha para que motoristas respeitem o limite de velocidade de vias locais, de 30 km/h

Caio do Valle, O Estado de S.Paulo

04 Novembro 2013 | 02h05

"Devagar para apreciar." Basicamente, é esse o apelo de um grupo de frequentadores da Vila Madalena, na zona oeste da capital paulista, para os motoristas que dirigem por ali. Eles pedem o respeito ao limite de velocidade máxima de 30 km/h nas vias locais do bairro, patamar frequentemente ultrapassado pelos veículos nas horas de rush. Para se fazer entender pelos condutores, lançaram uma campanha, a "Vila a 30", espalhando cartazes pelos postes e distribuindo panfletos.

O responsável pela criação e distribuição é o publicitário capixaba Paulo Rios, de 43 anos, que trabalha na Vila Madalena e mora na Vila Olímpia, na zona sul, e vai trabalhar todos os dias de bicicleta. "As ruas daqui ficam perigosas com o tráfego de atalho, ou seja, os carros que fogem das avenidas congestionadas por dentro do bairro nos horários de pico e no almoço."

Ele também reclama do excesso de valets que atendem os bares do entorno - muitos dos quais, afirma, insistem em não atentar para o limite de 30 km/h. "E também, é claro, há os que bebem nas noitadas e insistem em sair dirigindo", complementa o produtor audiovisual Eduardo Abramovay, de 64 anos, que apoia a campanha.

Morador de Perdizes, na zona oeste, e frequentador da Vila Madalena, Abramovay lembra que outras grandes cidades do mundo já começaram a empregar o conceito de "traffic calming", reduzindo o limite de velocidade e estimulando o convívio pacífico entre motoristas, ciclistas e pedestres. Rios cita como exemplo o Charquinho, em Lisboa, que adotou a chamada Zona 30.

Em seus panfletos, o movimento lembra que o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) já estabelece que a velocidade máxima autorizada nas vias locais é de 30 km/h. Na prática, porém, não é o que se observa. Na Rua Natingui, onde o administrador Vitor Gurman, de 24 anos, foi atropelado em julho de 2011 por uma SUV em alta velocidade (ele morreu dias depois em decorrência do acidente) enquanto andava na calçada, muitos carros circulam a velocidades superiores a 30 km/h, diz Rios. Não se veem radares para flagrar infratores por ali.

A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) disse que a Vila Madalena e Moema, na zona sul, são bairros onde se estuda impor redução de velocidade. No mês passado, a CET lançou a chamada Área 40 na centro de São Paulo, a primeira região com restrição (a 40 km/h).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.