Vila Clementino perde 377 vagas para faixa de ônibus e Zona Azul

Pacote de trânsito que começa a valer na 2ª feira cria faixa reversível para coletivos na Borges Lagoa em horários de pico

Caio do Valle, O Estado de S.Paulo

02 Julho 2011 | 00h00

A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) criou 377 vagas de Zona Azul em cerca de dez vias da Vila Clementino, zona sul de São Paulo. Elas começam a valer na segunda-feira e integram um pacote de alterações viárias promovidas pela Prefeitura de São Paulo para a abertura de uma faixa exclusiva de ônibus na Rua Borges Lagoa, entre as Ruas Ascendino Reis e Coronel Lisboa.

Por esse motivo, a Borges Lagoa perderá, em parte do dia, 41 vagas de Zona Azul no trecho entre as Ruas José Magalhães e Coronel Lisboa. As vagas só funcionarão nos dias úteis, entre as 10 horas e as 16 horas. Aos sábados não houve alteração. Já no trecho da via entre as Ruas Marselhesa e Coronel Lisboa 13 vagas serão desativadas para aumentar a fluidez.

Na Rua Pedro de Toledo, outras 38 vagas serão desativadas e será proibido estacionar no lado ímpar da via de segunda a sexta-feira, das 6h às 21h e aos sábados, das 6h às 14h. Ontem, por causa da sinalização já instalada, muitos carros tinham folhas de Zona Azul sem necessidade. Entre as vias que passarão a ter Zona Azul estão: Coronel Lisboa, Botucatu e Doutor Bacelar (veja quadro).

As mudanças já estão causando reclamações. A Associação dos Funcionários da Escola Paulista de Medicina e do Hospital São Paulo (Afesp) solicitará à CET permissão para que seus integrantes idosos e com deficiências físicas possam estacionar em suas vagas na frente da entidade sem pagar Zona Azul. "A Zona Azul atrapalha muito. As pessoas já não têm muitas opções de estacionamento na região", diz a presidente da entidade, Marli Serrentino, de 44 anos.

Ônibus. A faixa de ônibus da Borges Lagoa funcionará em dias úteis, das 5h às 10h e das 16h às 20h. Cerca de 283 mil passageiros de 21 linhas serão beneficiados. Hoje, outros pontos da cidade têm faixa semelhante: a Rua Domingos de Morais e a Rua Clélia, por exemplo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.