Vigia muda versão e diz que Mizael matou Mércia

Em depoimento, Evandro da Silva afirma que ex-PM assassinou antiga namorada em represa da Grande SP

William Cardoso, O Estado de S.Paulo

26 de fevereiro de 2013 | 02h04

Atualizada às 8h35

SÃO PAULO - O vigia Evandro Bezerra da Silva mudou sua versão e agora acusa o ex-policial militar Mizael Bispo de Souza de ter matado, sem a ajuda de ninguém, a advogada Mércia Nakashima, em maio de 2010. O depoimento foi dado em interrogatório no dia 14 no Fórum de Guarulhos, na Região Metropolitana de São Paulo. É a primeira vez que Evandro afirma, em juízo, que foi Mizael o autor do crime. Antes, ele se limitava a negar a própria participação no assassinato.

Acusado de colaborar com Mizael, o vigia negou saber que o colega tinha matado a ex-namorada e jogado o corpo dela em uma represa em Nazaré Paulista. "Eu fui pegá-lo lá, excelência, porque ele falou para mim que se encontrava numa festa. Se ele tivesse me explicado o que tinha acontecido ali, eu não teria ido até aquele local pegá-lo, não teria ido com o meu carro."

Durante o interrogatório, Evandro falou que foi ameaçado por pessoas próximas a Mizael. Ele está preso em Tremembé e vai a júri em julho. O ex-namorado de Mércia será julgado em março e permanece detido no Presídio Militar Romão Gomes.

Segundo o promotor Rodrigo Merli Antunes, responsável pelo caso, a declaração do vigia é importante para incriminar Mizael. "Temos agora o comparsa delatando o Mizael e isso influenciará os jurados", disse. "Agora, a parte em que ele diz que não tem participação é lorota."

Antunes diz que pediu que sejam investigadas as denúncias feitas pelo vigia de que sofreu ameaças de pessoas próximas ao ex-PM. "Foi importante um trecho em que ele diz que foi ameaçado por um dos irmãos do Mizael, que mandou cartas para ele na prisão, inclusive oferecendo dinheiro para que ele mudasse a versão. Já pedi abertura de inquérito policial por coerção no curso do processo e também por corrupção de testemunha."

O advogado de Mizael, Samir Haddad, afirmou que seu cliente não esteve na represa no dia do crime. "O Evandro está tentando salvar a própria pele, levantando suspeita sobre o outro réu."

Defesa. Haddad disse ter convicção da inocência do cliente. "A defesa não se abala com isso. Ao longo do processo, com a convivência, percebi que ele é incapaz de matar alguém." Também negou que pessoas próximas a Mizael ameaçaram Evandro e criticou a divulgação do vídeo do depoimento. "Isso atrapalha no momento de fazer Justiça."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.