Gabriel/Reprodução
Gabriel/Reprodução

Vídeos mostram falsos entregadores assaltando pedestres em São Paulo; assista

Recentemente, um caso com esse perfil resultou na morte de um jovem de 20 anos no Jabaquara, zona sul da cidade

Redação, O Estado de S.Paulo

02 de maio de 2022 | 19h51

SÃO PAULO – Como parte da alta de roubos registrada pelo Estado de São Paulo no começo deste ano, falsos entregadores de aplicativos de comida estão assaltando pedestres em diferentes bairros da capital paulista. Vídeos de alguns desses casos, registrados em regiões como Pinheiros e Jardins, mostram cenas em que os criminosos ameaçam as vítimas inclusive com armas de fogo. O material foi compilado pela startup Gabriel, focada em segurança com tecnologia.

Recentemente, um caso com esse perfil resultou na morte de um jovem de 20 anos no Jabaquara, zona sul da cidade. Após ser abordado por um falso entregador por volta das 22h40 do último dia 25, Renan Silva Loureiro, que estava andando na rua com a namorada no momento do assalto, chegou a se ajoelhar diante do criminoso, mas foi baleado com quatro tiros. Ele não resistiu aos ferimentos e morreu no local. 

Conforme a Secretaria de Segurança Pública, investigadores do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) identificaram o suspeito de matar Renan. Os policiais confirmam que o responsável pela morte tem antecedentes criminais. A equipe apreendeu um revólver calibre 38.

Como parte das ações para coibir esse tipo de crime na capital, as polícias Civil e Militar realizaram, entre sexta-feira, 29, e sábado, 30, uma operação com o objetivo de combater delitos cometidos por criminosos que se passam por entregadores. Mais de 740 veículos foram abordados e nove pessoas foram detidas.

Empossado recentemente como governador do Estado, Rodrigo Garcia (PSDB) trocou o comando das polícias no fim do último mês. O chefe da PM passou a ser o coronel Ronaldo Miguel Vieira, que liderava o Batalhão de Choque. Já o novo Delegado-Geral é Osvaldo Nico Gonçalves, que era responsável pelo Departamento de Operações Policiais Estratégicas (Dope). A medida dá indicativos de que haverá novas operações para combater os crimes mais recorrentes até o início do próximo ano, quando Garcia deixa o cargo caso não seja eleito.

No primeiro trimestre deste ano, o número de furtos cresceu 28,5%, ante o mesmo período do ano passado. Já o de roubos aumentou 7,45% na mesma comparação. Nesse cenário de alta, assaltos cometidos por falsos entregadores de aplicativos de comida têm assustado moradores da cidade, uma vez que há trabalhadores com esse perfil por toda a capital.

Em entrevista ao Estadão, o secretário executivo da Polícia Militar, coronel Álvaro Batista Camilo, explicou que recentemente houve um incremento em quatro operações que estão em andamento com foco em coibir os crimes com utilização de motos. Ele lembra que esse tipo de veículo é utilizado em grande quantidade pelos criminosos porque eles se aproveitam do anonimato por causa da obrigatoriedade do uso de capacete e também pela facilidade de fuga.

"A polícia está empenhada e independente disso as ações já estão muito fortes, com foco na moto. Pedimos desculpa para os trabalhadores, porque muitos estão sendo abordados. Mas é uma situação necessária. Só para se ter uma ideia, no primeiro trimestre deste ano foram apreendidas mais de 6 mil motos, número maior que no ano passado inteiro. Além disso, 104 criminosos foram presos e muitos celulares foram devolvidos aos seus donos", diz.

As operações em andamento são Cavalo de Aço (para fiscalização de motocicletas), Capital Mais Segura (combate os crimes de oportunidade, como roubos e furtos, com blitz espalhadas em diversos pontos), Móbile (feita pela polícia civil, para coibir a receptação de celulares furtados e roubados) e Hércules (mais focada na região do bairro do Morumbi, onde houve uma onde de crimes com motos).

"Vamos ainda fazer nesta semana ações bem fortes para evitar crimes cometido por pessoas que utilizam motos. Nossa preocupação é com a população, com os motociclistas de aplicativos e até com as empresas, pois todo mundo está sendo prejudicado", afirma

Camilo revela que até por determinação do governador Rodrigo Garcia, um grupo de trabalho foi criado e muito em breve haverá uma resposta rápida. "Se precisar podemos inclusive sugerir mudanças na legislação. Fizemos três reuniões e tem um grupo estudando uma forma para diferenciar o trabalhador do bandido. Nossa ideia é proteger os trabalhadores de aplicativo, mas conseguir identificar com mais facilidade o infrator. Então precisamos ajudar o policiamento nesta identificação."

O Estadão reuniu vídeos de alguns dos casos de criminosos que se passam por entregadores para assaltar pedestres. O primeiro dos casos compilados ocorreu na Rua dos Pinheiros, uma das ruas com maior quantidade de bares e restaurantes do bairro de mesmo nome. No dia 12 de fevereiro deste ano, um sábado, um falso entregador estaciona a moto na região por volta de 14h40 e observa o fluxo de pessoas na rua. Mesmo com a movimentação considerável, ele aborda um grupo de cerca de quatro pessoas e realiza o roubo.

Em outro caso, dessa vez na Rua José Maria Lisboa, nos Jardins, dois falsos entregadores agem durante uma segunda-feira, 14 de fevereiro, e abordam um casal, que caminhava com um cachorro, e uma mulher, que estava sozinha. Para ela, um dos criminosos pede inclusive o desbloqueio do celular, o que permitiria realizar transferências via Pix, ferramenta de pagamento instantâneo, com mais facilidade após o roubo. O assalto ocorreu pouco após as 19h.

Próximo dali, na Rua Doutor Melo Alves, que corta o bairro Cerqueira César, ocorreu um caso no dia 19 de março (sábado) também entre o fim da tarde e o início da noite. Um falso entregador estaciona a moto na rua e se dirige a um estabelecimento, que tinha funcionários e clientes próximos à porta. Ele anuncia, então, um assalto a mão armada, e logo em seguida sai correndo do local.

Na Rua Doutor Virgílio de Carvalho Pinto, em Pinheiros, criminosos agem em um carro branco no dia 5 de abril, uma terça-feira. Enquanto ao menos um integrante do grupo permanece no veículo, três homens encapuzados andam pela rua à procura de vítimas. Eles assaltam um homem que passava caminhando pelo local e voltam rapidamente para o carro, que arranca em seguida. O crime ocorreu por volta de 23h.

Também no bairro dos Pinheiros, mas na Rua Mateus Grou, ao menos dois casos envolvendo falsos entregadores aconteceram em um só dia. Por volta de 7h do dia 22 de abril (sexta-feira), um criminoso estacionou a moto na rua e tentou assaltar, à mão armada, um homem que caminhava com o cachorro. Ele chega a desferir pontapés na vítima, que se desvencilha do assaltante e foge arrastando o cachorro pela coleira. Trabalhadores da limpeza urbana estavam na rua no momento do crime.

Menos de 14 horas depois, um assalto de falso motoboy ocorreu quase no mesmo trecho da rua, que fica próximo à escadaria que dá acesso à Rua Teodoro Sampaio, famosa pelo comércio de móveis. Nesse caso, que aconteceu por volta de 21h30, um criminoso saca uma arma de fogo e assalta um casal. Uma das vítimas entrega o celular e eles saem correndo em seguida. Primeiro, no sentido da Rua dos Pinheiros. Depois, no sentido inverso, para onde caminhavam inicialmente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.