Vídeo mostra abordagem a publicitário morto por PMs em SP

Policiais teriam atirado ao confundir o celular que o motorista carregava com uma arma

estadão.com.br

19 Julho 2012 | 19h22

Câmeras de segurança registraram a perseguição e a abordagem ao publicitário Ricardo Prudente, de 39 anos, morto a tiros por policiais militares. O fato aconteceu na noite desta quarta-feira, 18, perto da Praça do Pôr-do-sol, no Alto de Pinheiros, na zona oeste da capital paulista. As imagens foram divulgadas pelo programa Cidade Alerta, da TV Record.

De acordo com nota oficial divulgada pela PM, o motorista fugiu de uma tentativa de abordagem, por volta das 23h. Perseguido, bateu em outra viatura que tentou interceptá-lo e foi baleado depois  que os policiais "visualizaram Ricardo com um objeto na mão, pensando se tratar de uma arma". O objeto seria um celular.

Socorrido e levado ao Hospital das Clínicas, o publicitário não resistiu ao ferimentos: dois tiros na cabeça. Os PMs, dois soldados e um cabo, estão presos no Presídio Romão Gomes, na zona norte, onde aguardaram o resultado do inquérito policial. O caso foi registrado no 14º DP (Pinheiros), como homicídio doloso - com intenção de matar.

O publicitário portava cerca de 50 gramas de maconha dentro do veículo, mas não foram encontradas armas no carro, um Ford Fiesta. Ao menos cinco tiros atingiram a lataria e o para-brisa do automóvel.

"Não acredito que tenha tido perseguição. Como uma pessoa é perseguida e para perfeitamente o carro na rua?", questiona a mulher de Prudente, a publicitária Lélia Pace Prudente de Aquino, de 35 anos, casada com havia nove anos. "Minha vida foi interrompida."

No comunicado, a Polícia Militar informou que  "lamenta a ocorrência" e que apura se, de fato, os policiais confundiram o celular do publicitário com uma arma. A corporação afirma que a ação "dá indícios de falhas de procedimento inaceitáveis" e conclui o comunicado se desculpando pelo ocorrido. "A Polícia Militar pede desculpas à família, à sociedade e esclarece que, após as apurações, os envolvidos pagarão pelos seus erros na medida de suas atitudes".

Com informaçãoes de Felipe Tau

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.