Reprodução
Reprodução

Vídeo indica que PMs alteraram cena de chacina em Carapicuíba

Imagens foram fundamentais para prisão de três policiais militares, suspeitos de alterarem cena do crime para atrapalhar investigação

Alexandre Hisayasu, O Estado de S. Paulo

10 de outubro de 2015 | 15h28

SÃO PAULO - Um vídeo gravado por vizinhos de uma pizzaria, onde quatro rapazes foram mortos na última chacina de Carapicuíba, na Grande São Paulo, foi fundamental para a prisão de três policiais militares. O crime aconteceu no dia 19 de setembro. Todas as vítimas eram funcionárias do estabelecimento e não tinham passagens pela polícia. 

A gravação, exibida pela TV Globo, foi feita minutos depois da execução. Ela mostra os rapazes caídos com o rosto voltado para o chão e com as mãos entrelaçadas na nuca. Em seguida, aparecem policiais de uma viatura da Força-Tática da região e o vídeo é cortado.

Nas fotos feitas pelos peritos, porém, as vítimas estão em posições diferentes daquelas gravadas em vídeo. Eles aparecem com a barriga para cima e, alguns, com os braços abertos. Para a Corregedoria da PM, os três policiais presos modificaram a cena do crime com objetivo de atrapalhar as investigações. 

Foram mortos Douglas Bastos Vieira e Mateus Moraes dos Santos, ambos de 16 anos; José Carlos do Nascimento, 17; e Carlos Eduardo Montilha de Souza, 18. Investigações da Corregedoria apontam que os jovens praticavam assaltos na região e roubaram a bolsa da mulher do policial militar Douglas Gomes Medeiro, que está preso. A bolsa foi encontrada na casa de uma das vítimas da chacina. Os familiares negam as acusações. 

Os três PMs foram presos nesta quinta-feira, 8, e não tiveram os nomes revelados. Todos estão com prisão preventiva decretada pela Justiça Militar. Outros cinco policiais e um guarda civil também foram presos por suspeita de participar da maior chacina da história, que deixou 19 mortos e 5 feridos, em Osasco e Barueri, em 13 de agosto. Durante a operação,  outros dois policiais militares foram presos em flagrante por posse de arma e munição irregulares.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.