Vice do Palmeiras fugiu após batida, diz advogado

Salvador Hugo Palaia, por sua vez, diz que motorista quer aparecer. 'Ele que coloque uma melancia no pescoço', afirma dirigente

, O Estado de S.Paulo

22 de maio de 2010 | 00h00

O vice-presidente do Palmeiras, Salvador Hugo Palaia, é acusado por um advogado de se envolver em uma batida de trânsito em Perdizes, zona oeste da capital, e depois fugir. O acidente ocorreu anteontem, por volta das 19h.

Sandro Piva de Lima, de 40 anos, dirigia seu Nissan Sentra quando foi fechado por Palaia, que dirigia uma GM Montana, no cruzamento da Rua Turiaçu com a Avenida Pompeia.

"Ele desceu do carro, olhou o estrago, assumiu a direção e foi embora sem falar comigo", diz Lima. O advogado conta que seguiu Palaia até o estacionamento do Palmeiras. Minutos depois, segundo o advogado, Palaia ordenou a um segurança que dissesse que não falaria com Lima e, se ele quisesse, "que procurasse seus direitos". O advogado teria ido ao 23.º DP (Perdizes), onde teria registrado um boletim de ocorrência, o que não foi confirmado pela Secretaria da Segurança Pública.

O dirigente do Palmeiras deu outra versão sobre a colisão. De acordo com Palaia, o culpado pelo acidente seria Lima. "Ele entrou virando com tudo do meu lado direito." O vice-presidente do clube diz ainda que desceu do automóvel e indagou ao motorista: "Você está vendo o que fez?"

Palaia afirma não ter culpa se o carro que o atingiu estava "em péssimo estado". "Não devia nem ter ido conversar com ele", diz. Ele nega ter fugido e afirma que Lima quer se promover. "Já que ele não vai matar a mãe, que coloque uma melancia no pescoço para aparecer."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.