Viatura é atacada e policial morre em Sorocaba

O soldado Sandro Luis Gomes, de 35 anos, fazia patrulhamento de um bairro na zona norte da cidade; sargento que o acompanhava sobreviveu

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

27 de abril de 2014 | 18h01

SOROCABA - O soldado da Polícia Militar Sandro Luis Gomes, de 35 anos, morreu depois que a viatura em que estava foi atingida por 16 disparos quando fazia o patrulhamento de um bairro, na zona norte de Sorocaba, na madrugada deste domingo, 27. Gomes foi atingido por vários disparos. O sargento Antônio Correia Junior, que também estava no carro, foi ferido com um tiro, mas sobreviveu. No mesmo horário, a casa de outro policial militar foi alvejada com vários tiros na Vila Haro, zona leste da cidade. A Polícia Civil trabalha com a hipótese de uma ação da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC).

No primeiro caso, os policiais rodavam pela Avenida Itavuvu, a principal da zona norte, quando um carro emparelhou e seus ocupantes abriram fogo contra a viatura. Onze disparos acertaram a lateral da viatura e outros cinco a parte traseira. Os dois policiais foram atingidos pelos projéteis. Eles foram socorridos e levados ao Hospital Regional de Sorocaba, mas o soldado não resistiu aos ferimentos. O sargento, atingido por uma bala, foi medicado e já recebeu alta. Os dois policiais atuavam pelo programa Operação Delegada, uma parceria da Secretaria da Segurança Pública do Estado com a prefeitura local.

O veículo supostamente usado na ação foi encontrado abandonado na mesma avenida, com marcas dos disparos efetuados pelos policias, que reagiram ao ataque. O policial morto foi sepultado, no início da tarde, no Cemitério Memorial Park. No ataque à casa de outro policial, os bandidos fugiram em dois carros que foram abandonados no mesmo bairro. Nos veículos foram apreendidas munições.

Em nota, a PM lamentou a morte e atribuiu o ataque "covarde e furtivo" a uma retaliação dos criminosos à ação da polícia. Nenhum suspeito do crime tinha sido identificado ou preso até o final da tarde. A Policia Civil, que investiga a morte do policial, não descarta nenhuma hipótese, inclusive a de uma possível ação da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC). É o quarto caso de policial da ativa ou da reserva assassinado na cidade em menos de um ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.