Viagem de três dias à culinária

Evento teve 100 horas de atividades e 70 chefs

O Estado de S.Paulo

02 Julho 2012 | 03h04

Depois de 100 horas de atividades com a participação de 70 chefs, palestrantes e especialistas em comida e bebida, terminou ontem o 6.º Paladar - Cozinha do Brasil. No último dia, o maior evento da gastronomia brasileira passeou pela cozinha sertaneja, pela caipira e ainda fez uma conexão entre o cerrado e a Dinamarca. O chef Rodrigo Oliveira, do Mocotó, dividiu as panelas com Thiago Castanho, do Remanso do Peixe e do Remanso do Bosque, em Belém, para falar sobre os diferentes tipos de farinhas.

"Nenhum outro lugar tem uma cultura de farinha tão arraigada quanto a nossa. É um universo tão amplo que chega a ser um desrespeito tratarmos com simplismo", disse Rodrigo. "Eu mesmo sou muito farofeiro", disse Thiago.

Em outra sala, a farinha virou pão nas mãos de Rogério Shimura, que presenteou o público com duas versões de pão italiano: um feito no dia anterior e assado na hora e outro congelado, produzido há dez dias. Com um processo de congelamento e aquecimento, o pão parecia feito no dia.

O sotaque de João Rural deixava bem claro que ele falaria de cozinha caipira. Um dos maiores especialistas, serviu pratos clássicos: bolinho de farinha de milho recheado com carne de linguiça, farofa de içá e café com rapadura.

Foram 31 aulas e palestras e 13 degustações e os participantes também acompanharam chefs e pesquisadores em passeios de Paraisópolis a Campinas, passando pelas cozinhas do D.O.M. e do Dalva e Dito e pela Ceagesp.

O evento cresceu e se espalhou por bares e restaurantes de São Paulo. Até o dia 8, onze chefs mantêm menus especiais. A lista está no site paladarcozinhadobrasil.com.br.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.