Viaduto Orlando Murgel é liberado parcialmente na capital paulista

Serão duas faixas no sentido centro e uma no sentido bairro no horário de pico da manhã

Ricardo Valota e Gheisa Lessa, O Estado de S.Paulo,

19 de setembro de 2012 | 04h05

Atualizado às 9h12

SÃO PAULO - A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) liberou às 7 horas desta quarta-feira, 19, parte do Viaduto Engenheiro Orlando Murgel, em Campos Elíseos, na região central da capital. O elevado, que liga a zona norte da cidade à Avenida Rio Branco, estava fechado desde a segunda-feira, 17, quando um incêndio na Favela do Moinho, abaixo dele, comprometeu sua estrutura.

Das três faixas existentes no sentido bairro, duas serão utilizadas para o motorista que quer chegar ao centro e uma para quem pretende acessar a Avenida Rudge, a Ponte da Casa Verde e a Avenida Braz Leme, na zona norte. No horário de pico noturno, a disposição das faixas será invertida, com prioridade no sentido bairro e apenas uma delas no sentido centro.

As faixas no sentido centro, mais afetadas pelo fogo, ficarão interditadas por tempo indeterminado, segundo a Prefeitura. Apenas veículos leves podem utilizar o trecho aberto, que continua bloqueado para ônibus e caminhões, e a velocidade máxima foi reduzida para 40 km/h.

Desvios - Para quem não quer acessar o viaduto, há dois desvios no sentido bairro. O primeiro: Avenida Rio Branco, Avenida Duque de Caxias, Rua Prates, Rua Ribeiro de Lima e Avenida Tiradentes. O segundo: Avenida Rio Branco, Alameda Glete, Alameda Dino Bueno, Alameda Nothmann Avenida São João (sentido bairro), Avenida General Olímpio da Silveira (sentido bairro), Rua Mário de Andrade, Avenida Abraão Ribeiro, Rua Baronesa Porto Carreiro.

No sentido centro, há também dois desvios. São eles: Ponte da Casa Verde, Rua Mário de Andrade e Avenida São João; ou Rua Norma Pieruccini Gianotti, Rua Sérgio Tomás, Rua Anhaia, Alameda Nothmann e Avenida Rio Branco.

Incêndio. Na manhã de segunda-feira, 17, o viaduto foi interditado em razão de um incêndio que destruiu 80 barracos em parte da favela Moinho, localizada sob a via. A estrutura sofreu desprendimento de placas de concreto, segundo análise feita por técnicos da Secretaria Municipal de Infraestrutura Urbana e Obras (Siurb). O viaduto passa sobre duas linhas férreas da CPTM - Linha 8 (Diamante) e Linha 7(Rubi) - cujos trens tiveram circulação interrompida em ambos sentidos por mais de oito horas na última segunda.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.