Viaduto ficará fechado no sentido centro

Bloqueado após o fogo da Favela do Moinho, elevado na Barra Funda terá de passar por reforma; pista sentido bairro pode ser liberada às 7h de hoje

O Estado de S.Paulo

19 Setembro 2012 | 03h04

Afetada pelo incêndio na Favela do Moinho, anteontem, a pista sentido centro do Viaduto Engenheiro Orlando Murgel deve continuar interditada por tempo indeterminado para reforma. O sentido bairro poderá ser liberado parcialmente a partir das 7 horas de hoje, quando haverá vistoria no local.

O secretário de Infraestrutura e Obras do Município, Elton Santa Fé Zacarias, disse que o fogo afetou de maneira grave a estrutura do lado que vai continuar interditado. "Ficou bastante danificado. Danificou até alguns pilares", disse.

Técnicos da secretaria instalaram ontem um equipamento para medir deformidades no sentido bairro do viaduto. Eles devem fazer outra análise da via na manhã de hoje e, caso não encontrem nenhum problema, vão liberar o equipamento neste sentido. "Mas a liberação será para veículos leves, com velocidade reduzida", adiantou o secretário Zacarias.

De acordo com a pasta, ônibus estarão proibidos de trafegar na via. A proibição também valerá para pedestres. Isso porque as grades de proteção do viaduto acabaram danificadas.

Emergência. Ontem, a Prefeitura contratou uma empresa em caráter de emergência para reformar a estrutura. Em um dos lados, as obras serão feitas apenas na área inferior do viaduto. Na parte que foi afetada mais gravemente, os trabalhos também acontecerão na superfície. A Prefeitura não informou ontem a empresa contactada nem o valor da obra que será realizada no equipamento viário.

Sem o viaduto, a média de congestionamento às 19 horas de ontem na cidade era de 98,9 quilômetros, de acordo com dados da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). A média para o dia da semana nesse horário é de 138 quilômetros. /ARTUR RODRIGUES

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.