Via Amarela leva jornalistas para obras da linha 4

O objetivo da visita é tranqüilizar a população em relação aos acidentes que aconteceram na obra

Eduardo Reina, do Estadão,

02 de outubro de 2007 | 17h11

O Via Amarela, consórcio que reúne as principais empreiteiras do País - Andrade Gutierrez, Camargo Corrêa, OAS, Odebrecht e Queiroz Galvão - levou a imprensa para visitar algumas das frentes de obras da Linha 4 do Metrô. Foi a primeira vez que jornalistas puderam entrar nas frentes de obra.   De acordo com o diretor de contrato do Consórcio Via Amarela, Marcio Pellegrini, o objetivo é tranqüilizar a população em relação aos acontecimentos envolvendo as obras.   "Fora o desabamento da Estação Pinheiros, todos os demais eventos - afundamento da Rua dos Pinheiros e desalinhamento de 80 centímetros em trecho do túnel em construção sob a Avenida Francisco Morato, entre os poços de trabalho Três Poderes e Caxingui - são inerentes da atividade. Esta obra é a mais fiscalizada do Brasil. O desalinhamento ocorre em qualquer obra de metrô. O da Linha 4 foi por causa de falha humana", justificou.   Os reparos no túnel sob a Avenida Francisco Morato, segundo Pellegrini, só terão início após o Metrô autorizar o plano enviado na semana passada. São previstos 20 dias para fazer as raspagem e alinhar as paredes novamente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.