'Vi quando os policiais levaram o corpo dele'

"O sinal que indica o fim do intervalo tinha acabado de tocar quando ouvimos o primeiro disparo. Estava subindo a rampa, de volta à sala de aula. No começo, todo mundo pensou que algum aluno tinha soltado uma bomba no pátio, mas, logo depois, ouvimos o segundo disparo. Foi quando as pessoas começaram a gritar: "Ele se matou, ele se matou".

O Estado de S.Paulo

23 de setembro de 2011 | 03h01

 

Veja também:
linkCriança atira em professora e se suicida em sala de aula no ABC paulista
linkOUÇA: Pai de garoto é policial, diz aluna 
link'Estadão ESPN': tenente da PM fala sobre o caso 
linkProfessora reclamava de aluno e informou escola 
linkArma usada era particular, e não da corporação, diz delegada 

Ninguém sabia quem era ele, mas todo mundo começou a correr, com medo. Os professores, então, fecharam o acesso ao pátio e mandaram os alunos entrarem nas salas e ficarem lá até que a situação estivesse sob controle. Peguei o celular e liguei para a minha mãe.

A irmã de uma amiga contou depois que o menino que se matou chamava D. e estava no 4.º ano. Era bem pequeno e nunca soubemos que tinha aprontado nada na escola. Vi quando os policiais levaram o corpo dele. A cabeça estava com muito sangue. Alguns alunos chegaram a ver o D. caído na escada que leva ao laboratório, no segundo andar. Disseram que a arma que ele usou ficou em cima do peito.

O irmão mais velho do menino está na mesma série que eu, no 9.º ano, mas em outra sala. Acho que ele não viu o que aconteceu. A gente sempre soube que os dois eram filhos de policial, mas nunca imaginamos que um deles pegaria uma arma e levaria para a escola.

Não conheço a professora que foi baleada. Ela só dá aula para os alunos menores, mas contaram que o D. não brigou com ela durante a aula. Ele levantou, de repente, e atirou nas costas dela. A professora estava passando a lição na lousa e os outros alunos estavam anotando. Depois do tiro, ele saiu da sala e se matou.

Foi horrível. Todo mundo ficou desesperado e começou a chorar muito. Pedi para minha mãe me buscar porque queria ir embora logo de lá. Mas os professores liberaram as salas aos poucos. Primeiro, os menores; depois, os mais velhos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.