Veto foi votado com Casa quase vazia, simbolicamente

A derrubada do veto do prefeito Gilberto Kassab ao projeto de lei do vereador Carlos Apolinário (DEM), que modifica a lei do Psiu, começou na sessão da Câmara do dia 11, que votou alteração dos horários dos jogos de futebol na cidade. Um parlamentar da base governista destaca que o veto foi derrubado porque o grupo denominado "centrão", formado por vereadores de vários partidos, quer "pressionar o prefeito para que tenham mais espaço na administração". "O centrão está agindo com um apetite não republicano brutal. Isso é chantagem", diz outro governista. A Prefeitura não vai se pronunciar.

Bastidores: Eduardo Reina, O Estadao de S.Paulo

18 Março 2010 | 00h00

A sessão do dia 11 tinha muitos jornalistas na Casa. Parlamentares contam o que ocorreu quando as galerias começaram a ficar vazias. "Pediram verificação de quórum e derrubaram a sessão. Depois, com a Casa quase vazia, retomaram os trabalhos e começaram a votar os vetos." Na pauta estavam 115 itens. A discussão da lei do Psiu era o de nº 73. "Foi pedida inversão de pauta e votada simbolicamente", relata outro parlamentar. Depois de consumada a derrubada, o líder do PT, José Américo, registrou ao microfone voto contrário da bancada petista.

Apolinário classifica o que chamam de chantagem política de "futrica". "Não fazemos esse tipo de coisa", diz. O vereador acredita que a derrubada do veto "não atrapalha a autonomia do prefeito". "A Câmara fez o papel dela."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.