Veterinários se especializam até em câncer

Em hospital de SP, 60% dos pets idosos precisam de tratamento; conselho federal autorizou pela 1ª vez a concessão de título

FÁBIO BRITO, O Estado de S.Paulo

14 de julho de 2013 | 02h07

Trata-se da terceira sessão de quimioterapia e Lili, uma lhasa apso de 5 anos, responde bem ao tratamento: alguns dos sintomas do linfoma estão desaparecendo e tudo caminha para que fique melhor. Detalhe: o diagnóstico do câncer tem somente três meses. Há poucos anos, essa avaliação normalmente seria tardia e a morte, quase certa. Hoje, muito mudou e já há veterinários até se especializando na prática da oncologia.

"Percebemos gânglios nas pernas e no pescoço e, como já tínhamos visto outros casos na família, havia a suspeita de que algo estava errado. Tentamos nos convencer de que era só uma inflamação, mas ficamos apreensivos. É uma notícia que nenhuma 'mãe' que ouvir", explica a dona, Maria Cristina Albuquerque, de 37 anos, que logo procurou tratamento especializado. Os casos de câncer em animais domésticos vêm crescendo e sendo notados nas clínicas, graças à melhoria econômica e à aproximação sentimental, que permitem aos donos cuidar melhor dos pets e, consequentemente, aumentar a expectativa de vida dos animais.

"O câncer afeta principalmente os mais velhos. Dos cães idosos doentes que dão entrada no hospital, 60% têm câncer. Desses, 25% são de mama", diz o diretor do Hospital Veterinário Sena Madureira, Mário Marcondes. Também em São Paulo, o veterinário Eduardo Pacheco, diretor clínico do Hospital Veterinário Santa Inês, tem números semelhante e destaca que é uma realidade que veio para ficar. "Dentre as 14 especialidades que temos, a oncologia é a segunda mais solicitada."

No dia 4, o Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) habilitou a Associação Brasileira de Oncologia Veterinária (Abrovet) a conceder título de especialista aos profissionais que atuam na área do câncer animal. Trata-se de mais um fator de segurança para quem busca auxílio. "Não podemos admitir que aquele que faz um treinamento de um fim de semana, uma semana, um mês, possa ter um título", afirma o presidente do CFMV, Benedito Fortes de Arruda.

Para a presidente da Abrovet, Júlia Matera, a preocupação com a qualidade é clara. "Além do certificado reconhecido pelo Ministério da Educação, agora há vários critérios a serem seguidos, como experiência comprovada na área, publicações de artigos em revistas, participação e apresentação em congressos." E deve-se renovar tudo a cada cinco anos.

Segurança. "É uma segurança para o dono. O veterinário especialista tem como propor tratamentos e passar diagnósticos de forma segura", diz Rafael Gianella Mondadori, presidente da Comissão Nacional de Ensino da Medicina Veterinária.

Maria Cristina, a dona da Lili, é uma das que já procuram especialistas - mesmo sabendo que uma consulta custa o dobro em relação a um veterinário comum. "Esses profissionais se dedicam, se identificam com esse tipo de paciente e não desistem facilmente. Têm qualificações obtidas em estudos e reciclagens, além de acreditar nos tratamentos. É o que eu quero para ela. Quero pelo menos tentar algo que possa ajudá-la."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.