Vereadores disputam vaga no Tribunal de Contas

Arselino Tatto e Roberto Tripoli são os únicos eleitos por sete mandatos consecutivos; indicações anteriores atenderam a critérios políticos

Diego Zanchetta, O Estado de S.Paulo

20 Dezembro 2013 | 02h04

Únicos vereadores eleitos por sete mandatos consecutivos desde 1989, Arselino Tatto (PT), líder do governo Fernando Haddad na Câmara, e Roberto Tripoli (PV), campeão de votos nas eleições de 2012, travam uma acirrada disputa pela indicação à vaga de conselheiro no Tribunal de Contas do Município (TCM). A vaga foi aberta com a aposentadoria, publicada ontem no Diário Oficial da Cidade, do conselheiro Eurípedes Sales, de 70 anos.

A corte do TCM, formada por cinco conselheiros (entre eles quatro ex-vereadores), é responsável por analisar e fiscalizar anualmente cerca de R$ 20 bilhões em contratos do Executivo e do Legislativo. As bilionárias licitações do lixo e do transporte público, por exemplo, são auditadas pelo tribunal, que tem 700 funcionários e verba anual de R$ 200 milhões. São eles também que precisam todos os anos aprovar as contas do prefeito - se for rejeitada, a contabilidade torna o chefe do Executivo inelegível por quatro anos.

Tamanho poder e influência resultaram em duas indicações com critério político às vagas abertas mais recentemente: Marta Suplicy (PT) indicou em 2004 o vereador petista Maurício Faria, enquanto Gilberto Kassab (PSD) colocou seu aliado Domingos Dissei, na época recém-filiado ao seu partido, em 2011.

Normalmente, há um único candidato de consenso, como ocorreu com Faria e Dissei. Dessa vez, porém, tudo indica que Tripoli não abrirá mão de sua candidatura em favor da indicação governista, o que deve resultar em eleições no plenário pela primeira vez. Os dois candidatos têm famílias influentes na política paulistana há mais de três décadas e já foram presidentes do Legislativo.

Com atuação na área de meio ambiente e na defesa dos animais, Tripoli, de 59 anos, saiu na frente na disputa pelo TCM e tem hoje assinaturas de apoio de 34 dos 55 vereadores. Tatto, da família que hoje controla pelo menos 10% do PT com a corrente Luta de Massas, teve sua candidatura apresentada na quarta-feira ao prefeito Fernando Haddad (PT) pela bancada do partido. Seu irmão é o atual secretário de Transportes, Jilmar Tatto. "O Tripoli se articulou bem antes, muita gente já se comprometeu com ele. Nós estamos começando agora", afirmou Alfredinho, líder de bancada do PT.

Ele diz ter conseguido, em um único dia, 23 assinaturas de vereadores a favor de Tatto. Tripoli também já pediu apoio ao prefeito e até ao presidente nacional do PT, Rui Falcão. "Passei por todas as áreas contábeis das comissões do Legislativo, fui presidente da Casa. Tenho um bom currículo." / COLABOROU ADRIANA FERRAZ

Mais conteúdo sobre:
vereadorestribunal de contas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.