Vereadores aprovam reajuste e bico oficial para a GCM

No texto, prefeitura de São Paulo se compromete a pagar 5% sobre os salários atuais ainda neste ano e mais 10,23% em 2016

Adriana Ferraz, O Estado de S. Paulo

10 Setembro 2014 | 18h07

SÃO PAULO - A Câmara Municipal aprovou na tarde desta quarta-feira, dia 10, dois projetos de lei apresentados pelo Executivo para beneficiar a Guarda Civil Metropolitana. O primeiro concede reajuste gradual aos GCMs. No texto aprovado em votação simbólica, Haddad se compromete a pagar 5% sobre os salários atuais ainda neste ano e mais 10,23% em 2016. 

Com a mudança, o piso salarial da categoria passará de R$ 1.380 para R$ 1.449. Em 2015, o Executivo prevê ainda um plano de reorganização da carreira, que deve ser montado em conjunto com a Câmara.

A segunda proposta que recebeu aval dos parlamentares é a que cria uma espécie de Operação Delegada da GCM. Assim como já ocorre com os policiais militares, os guardas poderão, se quiserem, trabalhar nas horas folgas e receber oficialmente por isso. A expectativa é que a nova lei renda cerca de R$ 20 por hora trabalhada. Com efetivo maior nas ruas, a prioridade, segundo a Prefeitura, será reforçar a segurança das escolas municipais.

O bico oficial será pago por meio da Diária Especial por Atividade Complementar (Deac), também aprovada nesta quarta-feira, 10. Cada GCM poderá fazer até oito horas extras diárias. Ambos os projetos, defendidos por vereadores da base e da oposição à gestão de Fernando Haddad (PT) na Casa, ainda precisam passam por mais uma votação em plenário antes de seguirem para a sanção do prefeito.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.