Vereador tenta agredir diretor da Uber na Câmara de São Paulo

Adilson Amadeu avisou que 'queria dar na cara' de diretor do aplicativo; parlamentar foi contido por colegas

Adriana Ferraz, O Estado de S. Paulo

06 de abril de 2016 | 18h08

SÃO PAULO - A primeira audiência pública realizada na Câmara Municipal de São Paulo para debater projeto de lei que deve regulamentar a Uber na capital, nesta terça-feira, 5, foi marcada por confusão entre defensores e críticos da proposta. Por volta das 20h, o vereador Adilson Amadeu (PTB) tentou agredir o diretor de políticas públicas da Uber no Brasil, Daniel Mangabeira.

"Eu vou dar na sua cara", avisou o Amadeu, levantando-se da mesa onde estavam os vereadores que participavam da audiência convocada pela Comissão de Trânsito, Transportes, Atividade Econômica, Turismo, Lazer e Gastronomia da Câmara. Mangabeira estava de pé, próximo ao parlamentar. Mesmo com a confusão, permaneceu no mesmo lugar até o fim da reunião. Veja vídeo abaixo (as imagens foram cedidas por Hugo Vecchiato, da Rádio Bandeirantes):

Amadeu foi contido por colegas e, no fim do evento, mudou o discurso: "eu quero dar um beijo da sua boca", disse a Mangabeira no encerramento da audiência. Na tarde desta quarta-feira, 6, o parlamentar afirmou ao Estado que o diretor da Uber mantém uma postura de provocação sempre que os dois se encontram.

"Ele é um cara de pau. Fica dando risada, mexendo a boca, fazendo careta sempre que estou discursando. É uma provocação permanente, para me tirar do sério. Mas é bom ressaltar que não tentei agredi-lo. Nem cheguei perto dele, só estava gesticulando", disse o vereador. Mangabeira não quis comentar a situação.

Representante dos taxistas, Amadeu é o principal opositor à regulamentação da Uber em São Paulo. Mas, apesar da resistência, o projeto de lei deve ser colocado em votação, com o apoio do prefeito Fernando Hadadd (PT), no fim do mês. A expectativa é que isso ocorra no dia 27 de abril. Até lá, outras duas audiências públicas devem ser realizadas na Casa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.