Vereador bate-boca com empresário e agride assessor na Câmara de SP

Camilo Cristófaro (PSB) teria sido acusado de cobrar propina de comerciante e dá tapa em assessor de Suplicy que filmava confusão

Fabio Leite, O Estado de S. Paulo

13 de junho de 2017 | 18h45

Atualizado às 21h50

SÃO PAULO - O vereador Camilo Cristófaro (PSB) bateu-boca com um empresário que o teria acusado de cobrar propina e agrediu um assessor parlamentar que filmava a confusão nos corredores da Câmara Municipal de São Paulo na tarde desta terça-feira, 13.

A agressão ocorreu por volta das 15h30 no quarto andar do prédio do Legislativo e foi filmada por testemunhas. O vídeo mostra dois homens empurrando e imobilizando pelos braços um empresário identificado como Rivaldo Santana em meio a uma gritaria. 

Ao perceber que Leandro Ferreira, assessor do gabinete do vereador Eduardo Suplicy (PT), gravava a ação com celular, Cristófaro agrediu o funcionário com um tapa no braço. Ele e o aparelho celular caíram no chão.

Um outro vídeo feito momentos antes da agressão mostra Cristófaro discutindo aos gritos com Rivaldo Santana no corredor do quarto andar. O vereador demonstra irritação com uma suposta acusação que o empresário da região do Brás teria feito contra ele. O episódio ocorreu logo após a CPI da Feira da Madruaga, que investiga irregularidades no centro de comércio popular do Brás. 

"Disse que eu pedi R$ 5 milhões para ele (Santana). Você vai falar isso na frente do delegado", disse Cristófaro. "Você vai falar isso na minha cara. Eu pedi? Você vai provar, nós vamos para a delegacia agora", completou. "Tô morrendo de medo de você", disse o empresário. "Falo isso na sua cara".

O empresário, o vereador e o assessor de Suplicy foram para a delegacia registrar boletim de ocorrência. O vereador petista publicou texto em sua página no Facebook classificando a agressão contra seu funcionário como "gravíssima" e cobrando uma sindicância.

Horas após o ocorrido, Cristófaro publicou um vídeo em seu perfil no Facebook no qual afirma que foi "abarroado por um cidadão" na saída de seu gabinete e que o rapaz começou a xingá-lo porque o vereador estaria atrapalhando os negócios dele na Feira da Madrugada como relator da CPI que investiga o local.

Cristófaro disse que o assessor de Suplicy agrediu sua assessora no punho e que reagiu ao ver ação. "Quando eu vi ele agredindo ela eu tirei o celular da mão dele, mais nada", disse o vereador. A funcionária, segundo ele, foi fazer exame no Instituto Médico Legal (IML). Ainda de acordo com o parlamentar, Ferreira "é um petista que gosta de confusão e pegou a pessoa errada na hora errada".

Em nota, o presidente da Câmara, Milton Leite (DEM), afirmou que já pediu para que a Corregedoria da Casa abra uma sindicância sobre o caso. "Esta Casa vai tomar todas as providências cabíveis diante das imagens de vídeos que circulam na internet e registram a confusão no prédio do Legislativo paulistano", afirmou.

Reincidente. Este já é o segundo caso de agressão envolvendo Cristófaro. Em março, a vereadora suplente Isa Penna (PSOL) disse ter sido xingada de "vagabunda" e "terrorista" pelo parlamentar do PSB no elevador da Câmara. Cristófaro teria falado ainda para ela não ficar surpresa "se tomar uns tapas na rua". Cristófraro disse que a acusação é "mentira".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.