AFP PHOTO
AFP PHOTO

Verão será de alto risco para deslizamento em SP, prevê Defesa Civil

O solo encharcado vai favorecer as inundações e aumentar o risco de deslizamentos; previsão faz parte do Plano Verão 2015/16

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

25 Novembro 2015 | 00h02

SOROCABA - Chuvas de até cinco dias seguidos, acompanhadas de vento, granizo e raios vão marcar o verão no Estado de São Paulo, segundo a Defesa Civil Estadual. O solo encharcado vai favorecer as inundações e aumentar o risco de deslizamentos. A previsão faz parte do Plano Verão 2015/16 que será lançado na quinta-feira, 26. O plano, que vigora de 1 de dezembro a 31 de março de 2016, prevê ações para evitar perda de vidas durante os eventos climáticos. 

Oito planos preventivos foram definidos para 175 municípios considerados vulneráveis. Uma das ações visa a reduzir os impactos de inundações em 17 municípios do Vale do Ribeira. Os outros focam risco de deslizamentos na Região Metropolitana de São Paulo, Baixada Santista, Vale do Paraíba e Serra da Mantiqueira, e ainda as regiões de Sorocaba, Campinas e Itapeva.

De acordo com a Defesa Civil, o verão terá influência do 'El Nino', considerado o mais severo dos últimos 15 anos. Em várias regiões, o estado de alerta para deslizamentos foi baixado de 80 milímetros de chuvas no espaço de três dias para 60 milímetros - atingido esse volume, é iniciada a vistoria em áreas de risco.

O ciclo de chuvas chegou mais cedo este ano, em relação a anos anteriores. Em 2014, com o Estado no auge da estiagem, os rios estavam praticamente secos no interior. O Rio Piracicaba, na passagem pela cidade de Piracicaba, tinha vazão de 24,5 metros cúbicos por segundo há um ano. Na tarde desta terça-feira, a vazão chegou a 172,1 m3/s, sete vezes maior. No mesmo horário, o Corumbataí, outro rio da região, tinha vazão de 560,1 m3/s e estava em alerta para enchentes em Rio Claro.

Temporal. Um temporal causou grandes alagamentos e estragos na região central de São José do Rio Preto, na tarde desta terça-feira, 24. A avenida Bady Bassit transformou-se em rio e a correnteza arrastou várias motos. A avenida Alberto Andaló também foi alagada. O acesso ao distrito de Engenheiro Schmidt foi tomado pelas águas. No bairro São Deocleciano, uma creche foi alagada. A água se acumulou e prejudicou o trânsito na rodovia Washington Luís. 

Emergência. A prefeitura de São Carlos, interior de São Paulo, decretou estado de emergência nesta terça-feira, 24, em razão dos estragos causados pelo temporal que atingiu a cidade na segunda-feira. A chuva intensa inundou 75 estabelecimentos comerciais e causou danos em 65 veículos, a maioria arrastada pela forte enxurrada. Os muros de uma escola pública e de uma unidade de saúde municipal foram derrubados. Na segunda-feira, a prefeitura de Guareí havia decretado situação de emergência após ser atingida por um temporal com pedras de granizo do tamanho de uma bola de tênis.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.