Verão chega oficialmente com chuvas em São Paulo

Apesar disso, não há influência de fenômenos como El Niño ou El Ninã no clima brasileiro na estação

da Redação, estadao.com.br

18 Dezembro 2008 | 18h30

A estação mais chuvosa em quase todas as regiões do País começa neste domingo às 10h04, horário brasileiro de verão, segundo a Central de Gerenciamento de Emergências (CGE). O verão deste ano chega sob neutralidade climática, ou seja, sem influência de nenhum fenômeno global como El Niño (aquecimento anômalo das águas superficiais do Pacífico Sul) e La Niña (resfriamento anômalo das águas superficiais do mesmo oceano). Ambos os fenômenos afetam sensivelmente o regime de chuvas em diversas regiões do Brasil.    Veja também:  Dicas no Blog do Verão09   Fotos de banhistas aproveitando o verão     Para viajar no Natal é preciso garimpar os últimos pacotes   Apesar disso, a previsão é que o primeiro dia de verão seja parcialmente nublado na cidade, e podem ocorrer pancadas de chuvas esparsas e eventuais trovoadas. A mínima fica em 17ºC e a máxima não deve passar dos 25ºC.   Segundo Adilson Nazário, técnico em meteorologia do CGE, o verão deverá ser chuvoso na capital paulista, mas as chuvas devem ficar dentro ou ligeiramente acima da média prevista para cada mês. "Além disso, há a expectativa de formação da Zona de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS), que é comum nessa época do ano e deve manter as temperaturas amenas em função da grande cobertura de nuvens. Portanto, não é esperado um verão extremamente quente", explica.   Nazário ainda esclarece que o verão é uma estação de grande variabilidade temporal e espacial, condição que se aplica principalmente sobre a região metropolitana de São Paulo. "Além da passagem de frentes frias, é esperada também maior freqüência das pancadas de chuva nos fins de tarde e início da noite, provocadas pelo aquecimento e pela umidade. E essa condição deve se intensificar nos próximos meses", afirma o técnico do CGE.   Vale lembrar que os temporais isolados de chuva forte geralmente vêm acompanhados de rajadas de vento, descargas atmosféricas e eventual queda de granizo. Por serem eventos de curta duração, costumam provocar inundações localizadas, como alagamentos intransitáveis e até transbordamento de pequenos rios e córregos, situações conhecidas na capital paulista.   A permanência da ZCAS sobre a região faz com que os volumes de chuva se elevem, provocando alagamentos e inundações, e deixando o solo em situação extremamente perigosa, com risco para deslizamentos de encostas nas áreas de risco da Capital paulista e Região Metropolitana de São Paulo.   Em função das chuvas recorrentes do verão, desde o dia 1º de novembro o CGE efetua o monitoramento das condições do tempo na cidade 24 horas por dia, inclusive aos finais de semana e feriados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.