Venda de abadás diminui até 40% após greve da PM na Bahia

Governo nega queda de fluxo de turistas em Salvador. Folia de 2012 registra dados negativos, afirmam empresários

TIAGO DÉCIMO / SALVADOR, O Estado de S.Paulo

24 de fevereiro de 2012 | 03h05

Empresários da folia rebatem o governo da Bahia e afirmam que houve queda na comercialização de abadás para blocos e camarotes neste ano em comparação com o carnaval de 2011. O fluxo de turistas, no entanto, segundo a gestão Jaques Wagner (PT), não foi afetado pela greve da Polícia Militar, deflagrada e concluída poucos dias antes da festa.

"Os baianos foram para o carnaval, foram eles que sustentaram a festa", disse o empresário Fred Boat, sócio de dois badalados camarotes. A situação foi a mesma nos blocos. Harmonia do Samba, Psirico e Parangolé, focados nos baianos, atingiram as metas. Blocos focados em turistas tiveram queda de até 40%, segundo a Associação de Blocos de Trio. Eva e Chiclete com Banana, de axé music e voltados para turistas, são exceções.

"O principal problema foi que a greve da PM aconteceu nos dias em que a maior parte dos turistas costuma fechar os pacotes", disse o presidente da associação, Fernando Boulhosa.

No camarote de Boat voltado para visitantes, as vendas foram 25% abaixo da expectativa. A meta foi alcançada, porém, no camarote destinado aos baianos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.