VALERIA GONCALVEZ/ESTADAO
VALERIA GONCALVEZ/ESTADAO

Velório de bebê que morreu após trabalho de parto no Largo do Paiçandu será nesta 6ª feira

Jovem de 24 anos entrou em trabalho de parto na tarde de quarta-feira; Criança nasceu dentro da viatura do Corpo de Bombeiros, mas chegou sem vida na Santa Casa de Misericórdia

Renata Okumura, O Estado de S.Paulo

08 Junho 2018 | 15h34

SÃO PAULO - O velório de Raphaelly Vitória, filha de Jackeline Silva Moraes, irá ocorrer nesta sexta-feira, 8, a partir das 21 horas no Cemitério da Vila Formosa, na zona leste da capital paulista. O enterro será neste sábado às 8 horas.

A jovem de 24 anos, que estava grávida de sete meses, entrou em trabalho de parto na tarde de quarta-feira, 6, em um barraco montado no Largo do Paiçandu, no centro da cidade, onde ocorreu o desabamento do edifício Wilton Paes de Almeida, na madrugada de 1º de maio. O bebê nasceu dentro da viatura do Corpo de Bombeiros, mas chegou sem vida na Santa Casa de Misericórdia. A mãe também foi encaminhada à unidade médica e apresenta quadro médico estável.

Segundo o SOS Paissandu, toda a população está convidada a prestar solidariedade à família. 

Na noite de terça-feira, 5, a moradora já começou a sentir dores. "Ela estava com muita dor. O marido queria levar a Jackeline ao hospital, mas ela não quis ir. Foram dormir. Na quarta-feira, ela ainda estava sentindo dores. À tarde, a bolsa estourou. Chamamos os policiais que estavam na região  para ajudar e ligamos para o Corpo de Bombeiros. Eles demoraram mais de 20 minutos para chegar. Deu para ver que os pés do bebê saíram primeiro, por isso não resistiu e morreu dentro da ambulância", lamentou Ana Paula, que também está no acampamento improvisado.

+++ Polícia identifica segunda vítima de desabamento de prédio em SP

Por volta das 18h10 de quarta-feira, o Corpo de Bombeiros foi acionado pelos moradores. De acordo com a corporação, o parto já havia começado no momento em que a equipe chegou ao local. A gestante deu à luz dentro da viatura, mas o recém-nascido estava em parada cardíaca. Apesar de esforços de ressuscitação, o bebê não resistiu e faleceu a caminho do hospital. 

+++ Um mês após tragédia, acampamento no Paiçandu continua sem previsão de fim

A Polícia Militar esclareceu que no início da noite de terça-feira foi acionada para atendimento emergencial a uma gestante que já estava em trabalho de parto, na região central da capital. 

Relembre como foi o trabalho do Corpo de Bombeiros:

Mais conteúdo sobre:
Corpo de Bombeiros desabamento parto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.