PETER LEONE/FUTURA PRESS
PETER LEONE/FUTURA PRESS

Velocidade cai para 50 km/h em avenidas da zona leste nesta 2ª

A partir desta segunda-feira, novo limite vale para as Avenidas Jacu-Pêssego e Aricanduva; medida também será adotada em outras vias arteriais

Isabela Palhares, O Estado de S. Paulo

02 de agosto de 2015 | 21h00

O novo limite de velocidade nas Avenidas Jacu-Pêssego e Aricanduva, na zona leste de São Paulo, começa a valer nesta segunda-feira. As vias, chamadas de arteriais - que fazem ligações entre bairros -, terão redução de 60 km/h para 50 km/h. De acordo com a Prefeitura, a medida tem o objetivo de diminuir a quantidade de mortos e feridos nesses locais. Somente na Jacu-Pêssego, 23 pessoas morreram em 2014.

A mudança nessas avenidas faz parte de uma ação da Prefeitura que pretende reduzir o padrão de velocidade máxima nas vias arteriais da cidade de 60 km/h para 50 km/h. Entre 2011 e 2012, os limites já haviam sido ajustados de 70 km/h para 60 km/h. Recentemente, a queda da velocidade das Marginais do Pinheiros e do Tietê, no dia 20, causou polêmica e resultou até em processo judicial para tentar cassar a medida. Na pista expressa, o limite caiu de 90 km/h para 70 km/h e na local, de 70 km/h para 50 km/h.

A comerciante Arielma Santos, de 25 anos, que mora em uma travessa da Jacu-Pêssego, concorda com a medida, uma vez que acontecem muitos acidentes na via. “Muita gente anda a pé e os motoristas correm. Já vi muito atropelamento.” 

Já o pedreiro Osvaldo de Oliveira, de 40 anos, diz não acreditar que a estratégia vá ajudar a reduzir os acidentes. “Os motoristas correm e só reduzem onde tem radar. Mesmo com mais radares, em uma semana todo mundo saberá onde eles estão e não respeitará o limite.”

Para Horácio Augusto Figueira, consultor em Engenharia de Transporte, a redução implementada pela Prefeitura é positiva, uma vez que as duas vias têm diversos pontos de travessia de pedestres. Além disso, afirma, o impacto para os motoristas será pequeno. “Em avenidas como essas, a velocidade média na semana não passa de 30 km/h ou 40 km/h por causa do grande fluxo de veículos.”

Fluidez do tráfego. De acordo com o secretário municipal de Transportes, Jilmar Tatto, baixar o limite também é uma medida para melhorar a fluidez do tráfego. “Quando você diminui a velocidade, o raio de segurança entre os carros é reduzido e a via ganha mais espaço - é como se você alargasse a via. Por isso que reduzir (a velocidade) significa diminuir o congestionamento.”

A próxima alteração de velocidade ocorrerá em setembro, no Corredor Norte-Sul. O limite passará de 70 km/h para 60 km/h - e para 50 km/h nos trechos onde há faixas exclusivas para ônibus. A medida vai abranger as Avenidas Interlagos, Washington Luís, Rubem Berta, Moreira Guimarães, 23 de Maio, Tiradentes, Prestes Maia e Santos Dumont.

Também está em estudo o veto ao tráfego de caminhões na Jacu-Pêssego, pois com a inauguração do Trecho Leste do Rodoanel não é mais preciso entrar na cidade para pegar a Ayrton Senna.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.